Uma monstruosa produção que junta 300 amadores em palco

"O Monstro no Labirinto", a partir do mito de Minotauro, é uma ópera comunitária que envolve músicos e coros de crianças, jovens e adultos amadores. Começou a ser preparada há um ano

Maria José Vieira lembra-se do momento, há um ano, em que o Sérgio Fontão, diretor coral do Polyphonia Schola Cantorum, desafiou o grupo, amador, a participar na ópera O Monstro no Labirinto, que hoje, amanhã e sexta-feira se estreia no grande auditório da Fundação Calouste Gulbenkian. "Disse-nos para meditarmos e depois dizermos se aceitávamos ou não", recorda a tradutora, no coro há 43 anos. Em cima da mesa estavam os obstáculos que pôr de pé esta produção implica: um compromisso mais a encaixar nas vidas de quem não faz da música profissão. "Uma exigência enorme e uma agenda difícil de cumprir", resume, no intervalo do ensaio de segunda-feira, no foyer da Gulbenkian.

"Sinto que é um privilégio muito grande". É algo completamente diferente do que está habituada. O Coro Polyphonia canta sobretudo música sacra. "E eu estava habituada a cantar sempre com uma pauta à frente, sempre pregada ao chão...", conta.

Em novembro, começaram a trabalhar na ópera Monstro no Labirinto, música de Jonathan Dove, libreto de Alasdair Middleton, ambos britânicos, e versão portuguesa de Tiago Marques. O mesmo aconteceu com o Coro Regina Coeli de Lisboa, o Spatium Vocale, o Coro de Câmara da Academia de Amadores de Música, o Coro Juvenil da Academia de Música de Santa Cecília, o Coro Juvenil Euterpe, o Musaico e o Coro Infanto-juvenil da Universidade de Lisboa, onde canta Margarida Rosa, quase 12 anos, uma das crianças que terá lugar de destaque na ópera. O ritmo de ensaios foi tão intenso como o dos adultos: "Todas as semanas", diz a menina.

"Escolhemos coros que nos davam todas as garantia de que fariam um bom trabalho. Queremos proporcionar uma boa experiência aos participantes, mas também queremos proporcionar um espetáculo de bom nível aos espectadores da Gulbenkian", afirma Sérgio Fontão. "O que lhe foi exigido foi o mesmo que exigimos a profissionais. Foram espremidos até à última gota, pode citar". Os bilhetes para as três récitas, 1200 por dia, estão esgotados.

A conversa com Margarida Rosa é interrompida pelas indicações da encenadora, Marie-Eve Sygneyrole. "A partir de amanhã tudo o que dissemos tem de estar aqui [aponta para a cabeça]", pede. Ontem, o ensaio fez-se com público - a família. "Quase todos estão a fazer tudo bem, mas basta um ou dois não fazerem para estragar o quadro", diz, voz firme. Durante o ensaio, interrompe uma cena para pedir, com a mesma firmeza, que se mantenham quietos em palco. A agitação infantil é cortada de imediato. "Silence, s"il vous plaît. Silence, please". No intervalo volta a frisar o que já tinha dito no ensaio: "Olhem para o público".

"Neste momento, precisamos que confiem mais neles próprios. Lembrá-los da essência do projeto. Primeiro precisamos que cantem e que cantem juntos, depois voltamos ao princípio - o que querem mostrar aos outros? O que sentem quando cantam e se mexem? Temos de lhes lembrar a história do projeto, afirma a encenadora em entrevista ao DN, antes do ensaio.

A história, a partir do mito grego do Minotauro, é esta, explicada pelo Rei Minus do espetáculo, o ator Fernando Luís: "É ele que vai espoletar toda esta tragédia, porque lhe matam o filho e vai pedir a todos os atenienses que lhe entreguem os jovens e os filhos para serem entregues em sacrifício ao Minotauro num labirinto em Creta". É deste lugar, arquitetado por Dédalo (o barítono Rui Baeta, que serão resgatados por Teseu (o tenor Carlos Cardoso). Outros profissionais se juntam: músicos da Orquestra Gulbenkian e do coro da Fundação, e a meio-soprano Cátia Moreso, no papel de mãe de Teseu.

O Monstro no Labirinto começa com "a encomenda do Festival Aix-en-Provence para fazer um trabalho com amadores", precisa Marie-Eve Sygneyrole, e é uma coprodução com a Filarmónica de Berlim e a Orquestra Sinfónica de Londres. Na sua encenação contemporânea, com recurso a câmaras que dão uma visão de conjunto do grupo e vídeos na água, a ópera traz para o palco a crise de refugiados.

A encenadora elenca três camadas de leitura de O Monstro no Labirinto. "A desproporção dos homens e de todas as formas de ditadura; o círculo infernal de vingança, que engendra violência, que cria humilhação...; quando se enfrenta um monstro é preciso ter atenção para não ser mais monstros do que os monstros".

"O que os amadores trazem [ao projeto] é uma verdade, qualquer coisa de atual. [A ópera comunitária] Permite trabalhar com u m grupo grande, porque do ponto de vista orçamental, o [espetáculo] participativo permite trabalhar com uma força enorme, o que se pode fazer menos com profissionais", diz Marie-Eve. A grande dificuldade, esclarece, é "reunir as pessoas e mantê-las por um ano". Depois, conjugar as agendas de crianças, jovens, adultos, seniores, mas, acrescenta, uma vez em marcha, "as pessoas sentem-se orgulhosas de fazer qualquer coisa juntas". E conclui: "É um projeto importante para as pessoas que o fazem, talvez mais do que para as pessoas que o veem."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".