Queen atuam com Adam Lambert em junho em Lisboa

O concerto vai realizar-se na Altice Arena e os bilhetes estarão à venda no dia 23

Os britânicos Queen, que têm Adam Lambert como vocalista, iniciam a nova digressão europeia a 07 de junho com um concerto na Altice Arena, em Lisboa, foi hoje anunciado.

Os Queen, uma das mais populares bandas rock do Reino Unido, voltam a Portugal depois de terem atuado em 2016 no festival Rock in Rio Lisboa.

De acordo com a Ritmos & Blues, o grupo tem uma nova produção feita a pensar nos 40 anos do álbum "News of the world" (1977), que inclui os temas "We will rock you" e "We are the champions".

Os Queen surgiram em 1970 com Freddie Mercury (voz), Brian May (guitarra), John Deacon (baixo) e Roger Taylor (bateria).

"Bohemian Rapsody", "We will rock you", "Don't stop me now", "Crazy little thing called love" - todos dos anos 1970 -, "Under pressure", "Radio Ga Ga" e "A Kind of magic" são alguns dos êxitos dos Queen, vindos de álbuns que venderam milhões de exemplares em todo o mundo.

Com a morte de Freddy Mercury em 1991 e com a saída de John Deacon em 1997, o grupo foi-se mantendo com concertos ocasionais, com Brian May e Roger Taylor.

Só mais recentemente é que o grupo voltou à estrada com novos vocalistas - primeiro com Paul Rodgers, com quem estiveram em 2005 em Portugal, e depois com Adam Lambert, que se deu a conhecer em 2009 num concurso televisivo de talentos.

Com Adam Lambert, os Queen já fizeram quatro digressões e deram mais de uma centena de concertos.

Este mês atuam na Austrália e Nova Zelândia e retomam a digressão em junho com a etapa europeia a iniciar-se em Lisboa, seguindo-se Espanha, Alemanha, Dinamarca, Noruega, Itália, Holanda, Bélgica e Reino Unido.

Os bilhetes estarão à venda no dia 23 e custam entre 40 e 55 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.