Plágio? Este holandês canta 'Não Dá' dos D.A.M.A.

A canção Overal waar ik ga do cantor holandês Jeroen van der Boom é muito semelhante ao tema da banda portuguesa D.A.M.A.

Um dos membros da banda D.A.M.A., Francisco Maria Pereira (também conhecido como Kasha), partilhou na sua página de Facebook a canção de um músico holandês, Jeroen van der Boom, denunciando-a como "plágio" do single da banda portuguesa, Não Dá. "Que nojo de pessoas", acrescentou o músico.

Já vários comentários no YouTube denunciam a estranheza que sentirá alguém que conheça o tema dos D.A.M.A., do novo álbum da banda portuguesa, Dá-me um segundo (2015), ao ouvir Overal waar ik ga ("Onde quer que eu vá", em tradução livre para português), de Jeroen van der Boom.

O single Não Dá foi divulgado no YouTube a 14 de junho de 2015 pelos D.A.M.A. A canção de Boom foi publicada no princípio de novembro. Abaixo, pode ouvir o single dos D.A.M.A. para comparar as duas canções.

A assessoria de imprensa da banda disse ao DN que tinha descoberto a canção de Boom esta segunda-feira, mas que não antecipa tomar qualquer ação legal contra o músico holandês.

Publicação de Francisco Maria Pereira na sua página de Facebook

O mesmo aconteceu em 2007, com o cantor espanhol David Bisbal e o seu tema Silencio que Jeroen van der Boom, de 43 anos, "adaptou" para Jij bent zo, que se transformou num dos seus maiores sucessos. Certo é que os dois acabaram por cantar juntos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.