Morreu o escultor Alberto Carneiro

O artista Alberto Carneiro, que hoje morreu aos 79 anos, foi um dos nomes que mais "abriram novos caminhos para a prática artística em Portugal", na segunda metade do século XX, depois de ter começado como santeiro.

O artista Alberto Carneiro morreu hoje aos 79 anos no Hospital de S. João, no Porto, onde estava internado, disse à Lusa fonte próxima da família.

Alberto Carneiro foi um dos nomes que mais "abriram novos caminhos para a prática artística em Portugal", na segunda metade do século XX. Nasceu a 20 de setembro de 1937, em São Mamede do Coronado, concelho da Trofa, distrito do Porto, local ao qual se manteve ligado durante toda a vida.

Alberto Carneiro nasceu a 20 de setembro de 1937, em São Mamede do Coronado, concelho da Trofa, distrito do Porto, local ao qual se manteve ligado durante toda a vida e onde iniciou a aprendizagem como escultor com um santeiro, num ofício que desenvolveu até ter ido trabalhar por conta própria, aos 17 anos de idade.

Quando tinha sete anos, o pai, surrador numa fábrica de curtumes, decidiu levá-lo à Póvoa de Varzim, a mais de 20 quilómetros de distância, de bicicleta, para que pudesse ver o mar pela primeira vez, como relatou em entrevista ao Público, em 2013.

"Foi um grande impacto. Ficar diante daquela imensidão... O movimento e o som do mar... Impressionou-me muito", disse, na mesma entrevista, à jornalista Anabela Mota Ribeiro.

No Porto, frequentou o ensino noturno na Escola Soares dos Reis, para onde ia de bicicleta, antes de perceber que "também não era aquilo que procurava".

Alberto Carneiro voltou anos mais tarde à cidade para estudar na então Escola de Belas Artes, já com 24 anos, onde se licenciou em 1967 e veio a vencer o prémio nacional de escultura em 1968, ano em que partiu para Londres.

"Mais do que a habilidade de santeiro, tinha atrás de mim aquilo a que chamo a disciplina do ofício, que ganhei na oficina. Nas Belas-Artes nunca tive dificuldades de aproveitamento e fui sempre correspondido relativamente ao esforço que fazia. Não tive qualquer frustração nesse plano e tive todos os motivos para ter uma elevada autoestima. Ainda assim, e sem saber porquê, também a Escola de Belas-Artes não me satisfazia", afirmou, em março de 2011, ao investigador Francisco Cardoso Lima, que o entrevistou no âmbito do doutoramento.

Em Londres, estudou sob Anthony Caro e Philip King, de acordo com a biografia disponível na página de antigos alunos da Universidade do Porto, que acrescenta que o artista foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, entre 1975 e 1976, já depois de ter começado a dar aulas de Escultura nas Belas Artes do Porto.

Entre 1972 e 1985, Alberto Carneiro foi diretor pedagógico e artístico do Círculo de Artes Plásticas da Universidade de Coimbra, tendo, a partir de 1985 e até 1994, dado aulas na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto.

A Fundação de Serralves, no texto sobre uma exposição realizada em 2013, escrevia que o trabalho de Alberto Carneiro - um dos artistas que mais "abriram novos caminhos para a prática artística em Portugal" - se havia desenvolvido numa "singular relação entre a arte e a natureza", em que toda a sua produção artística "se confunde com a sua própria vida e com as reminiscências do meio onde nasceu e cresceu e se descobriu como artista e criador".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.