Na Expo'98 os edifícios tinham vista para o êxito

Depois da FIL e do Oceanário, o DN voltou ao Altice Arena e ao Pavilhão do Conhecimento com os arquitetos que os projetaram. 20 anos depois, Regino Cruz e Carrilho da Graça recordam como conceberam duas das principais obras da Expo

"Era o êxito, o êxito, o êxito. Combatíamos de uma forma solene, até por raiva, o portuguesismo malfadado do pessimismo: "Não vão conseguir acabar a tempo, na altura da Expo vão estar ainda a pintar paredes." Era quase uma afirmação brutal da nossa parte, de irmos contra esse pessimismo dos velhos do Restelo." A Expo"98 ainda não começara, e este era o espírito, o tom dominante entre quem projetava e erguia aquela zona de Lisboa para a grande exposição mundial e para o que viria depois, a cidade, lembra Regino Cruz. Foi nesse tempo que imaginou e viu nascer aquele pavilhão multiusos que começou por ser o Pavilhão da Utopia e, depois de ser o Pavilhão Atlântico e o Meo Arena, é hoje o Altice Arena.

Mega Ferreira, mentor da Expo"98 e depois seu comissário, ter-lhe-á dito: "Senhor arquiteto Regino Cruz, eu quero que faça algo único. O projeto promete, mas o projeto é muito pouco. Eu quero que esteja aqui até ao último minuto, e que me dê a chave e eu diga: 'Uau!'"

Por cima de nós está o maior arco estrutural do mundo feito em madeira, naquela enorme cúpula que inverte uma nau quinhentista e em que se contam quase 120 metros de um lado ao outro. Cerca de 40 metros abaixo dela, muito se passou nestes 20 anos. Se quisermos percorrer apenas os tempos recentes, falemos de Roger Waters, há menos de uma semana, ou Bob Dylan, em março, que ali atuaram.

As estacas que sustentam este pavilhão entraram na terra quando esta era lama, e as obras haveriam ainda de durar três invernos até que este estivesse pronto. "Imensa gente não acreditava que isto pudesse ser realizado. Ao ponto de, depois de conseguirmos o primeiro prémio [no concurso internacional por convite], eu fui abordado, com os engenheiros estruturais, pelo LNEC [Laboratório Nacional de Engenharia Civil], perguntando-nos se não queríamos fazer com que esta estrutura de madeira fosse uma estrutura de vigas de aço, forrada a madeira, porque ninguém notava a diferença e os riscos eram muito menores. E nós, de uma forma absolutamente perentória, negámos, por uma questão de coerência, de verdade." Mas não só, defende o arquiteto. O facto de estarmos numa zona sísmica, faz "das juntas de madeira o melhor para se aquietarem", além do conforto acústico e da resistência ao fogo. Sim. "É um dos mitos que eu durante 25 anos tenho combatido. A madeira arde, mas é muito mais resistente ao fogo do que o betão ou o aço, que rapidamente colapsa."

"Senti-me ainda mais pequenino do que sou"

Regino Cruz recorre à ópera para responder à pergunta acerca da sensação que é ver algo que nasceu no desenho ganhar dimensão material nesta escala. "Há momentos numa ópera em que, apesar de estarmos fartos de a conhecer, a ênfase, a entoação com que o cantor lírico está a desempenhar o seu papel atinge-nos de tal forma que por vezes lacrimejo por mera emoção, apesar de eu saber o princípio, o meio e o fim. Pegando nesta imagem, o mesmo acontece com um pavilhão destes. Isto estava a céu aberto e, quando comecei a ver a montagem da cúpula, senti-me ainda mais pequenino do que sou." Quando subimos até à estrutura de madeira, vizinhos das janelas que mostram o topo da cobertura de zinco, quem se movimenta lá em baixo aparece-nos pequeníssimo.

O projeto recorreu à imagem do caranguejo ferradura, animal jurássico que ainda existe, apresentada "por um estagiário em Londres" como uma das bases da sua conceção. À do caranguejo e da nau juntam-se imagens como a da nave espacial - referente à cobertura de zinco - ou à da bíblica baleia de Jonas. "Esta exploração do imaginário é absolutamente essencial para que cada pessoa vá, à sua maneira, apropriando-se do que nós construímos."

Durante a Expo"98, o arquiteto divertia-se, como figura anónima, nas filas de espera, a ouvir as considerações dos visitantes acerca do pavilhão. "Uns diziam que era um escaravelho. 'Não é um boné alentejano!' 'Não, é um disco voador!'"

Uma obra para repousar o olhar entre exterior e a exposição

João Luís Carrilho da Graça não ganhou o concurso para o Pavilhão da Utopia, mas acabou por receber o convite direto para projetar o Pavilhão do Conhecimento dos Mares, onde hoje está o Centro Ciência Viva. As indicações eram precisas, e o arquiteto sabia o que queria.

"Lembro-me de que tinha visitado a Expo de Sevilha e de perceber como era uma espécie de saturação de imagens e de tentativas de captar a atenção das pessoas com imensos efeitos. Por coincidência - tinha filhos pequenos na altura - fui à EuroDisney, um fenómeno um pouco parecido. O que fui pensando sempre é que o pavilhão que viesse a fazer devia ser uma espécie de pausa entre esta saturação de solicitações da Expo e a exposição que ia ocupar o seu interior. A forma do pavilhão tinha esse objetivo: ser muito simples e permitir respirar entre tudo o que se passava no exterior e o que se ia passar lá dentro."

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.