Há uma realizadora portuguesa na Academia de Hollywood

Regina Pessoa, a autora de "História Trágica com Final Feliz", é o terceiro português a entrar para a Academia

Era difícil encontrar o seu nome entre os 928 novos membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, mas está : a realizadora portuguesa Regina Pessoa passa a poder assistir às sessões de seleção dos filmes e exercer o seu direito de voto para eleger os nomeados e vencedores dos prémios da Academia, os Óscares.

Regina Pessoa, de 48 anos, é uma premiada autora de filmes de animação. O seu filme História Trágica com Final Feliz fez parte da shortlist dos Óscares em 2007 e a sua obra Kali o Pequeno Vampiro (2012) obteve a qualificação para ser candidato, tendo a realizadora assistido a várias sessões da Academia a convite de outros membros, recorda o ICA -Instituto do Cinema e Audiovisual na sua página na Internet.

Os filmes de Regina Pessoa, todos com produção de Abi Feijó, somam já cerca de 80 prémios internacionais, incluindo o Grande Prémio de Annecy, o mais importante prémio internacional na área da animação, em 2006.

Regina Pessoa irá, assim, juntar-se aos portugueses que já fazem parte da Academia de Hollywood: o realizador Pedro Costa, convidado em 2017, e Carlos de Mattos - galardoado com dois Óscares, em 1982 e 1985, por Avanços Técnicos para o cinema.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood convida todos os anos diversas individualidades que se distinguiram pelas suas contribuições para o cinema a tornarem-se membros da organização. Em 2016 foram feitos 683 convites e no ano passado foram 774 os novos elementos.

Da lista de 928 individualidades convidadas este ano, constam ainda os nomes dos lusodescendentes Luís Sequeira e Nelson Ferreira, nomeados para os Óscares de 2018 pelo seu trabalho em A Forma da Água, de Guillermo del Toro, nas categorias de Guarda-roupa e Montagem de Som, respetivamente.

Veja AQUI a lista completa de novos membros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.