Há uma realizadora portuguesa na Academia de Hollywood

Regina Pessoa, a autora de "História Trágica com Final Feliz", é o terceiro português a entrar para a Academia

Era difícil encontrar o seu nome entre os 928 novos membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, mas está : a realizadora portuguesa Regina Pessoa passa a poder assistir às sessões de seleção dos filmes e exercer o seu direito de voto para eleger os nomeados e vencedores dos prémios da Academia, os Óscares.

Regina Pessoa, de 48 anos, é uma premiada autora de filmes de animação. O seu filme História Trágica com Final Feliz fez parte da shortlist dos Óscares em 2007 e a sua obra Kali o Pequeno Vampiro (2012) obteve a qualificação para ser candidato, tendo a realizadora assistido a várias sessões da Academia a convite de outros membros, recorda o ICA -Instituto do Cinema e Audiovisual na sua página na Internet.

Os filmes de Regina Pessoa, todos com produção de Abi Feijó, somam já cerca de 80 prémios internacionais, incluindo o Grande Prémio de Annecy, o mais importante prémio internacional na área da animação, em 2006.

Regina Pessoa irá, assim, juntar-se aos portugueses que já fazem parte da Academia de Hollywood: o realizador Pedro Costa, convidado em 2017, e Carlos de Mattos - galardoado com dois Óscares, em 1982 e 1985, por Avanços Técnicos para o cinema.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood convida todos os anos diversas individualidades que se distinguiram pelas suas contribuições para o cinema a tornarem-se membros da organização. Em 2016 foram feitos 683 convites e no ano passado foram 774 os novos elementos.

Da lista de 928 individualidades convidadas este ano, constam ainda os nomes dos lusodescendentes Luís Sequeira e Nelson Ferreira, nomeados para os Óscares de 2018 pelo seu trabalho em A Forma da Água, de Guillermo del Toro, nas categorias de Guarda-roupa e Montagem de Som, respetivamente.

Veja AQUI a lista completa de novos membros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.