Guadagnino, o erotismo e a erudição

Chama-Me pelo Teu Nome é uma história de amor contada com grande sensibilidade moderna mas imbuída de classicismo

Quão bela pode ser a imagem de alguém com um pêssego na mão, entre a dúvida da primeira dentada e o gozo do seu toque aveludado? A pergunta não é tão extravagante quanto possa parecer, embora a cena que a justifique seja mais complexa do que se pode imaginar. Num filme de Luca Guadagnino somos convidados a saborear imagens como esta, na textura de momentos em que o prazer e uma angústia suave atravessam as personagens. E se quisermos ainda estender a metáfora do pêssego ao todo, é possível conceber Chama-Me pelo Teu Nome como um filme que se dá a provar voluptuosamente ao espectador, até ao miolo. Sem pressas e com uma refinada disposição narrativa.

Depois de Mergulho Profundo (2015), o ócio do verão volta a ser cenário dramático para o realizador italiano: corpos seminus ao sol, muitos banhos em piscinas e lagoas, conversas espontâneas e olhares que procuram traduzir-se mutuamente a toda a hora. Nessa malha de seduções, a maior de todas acontece entre um jovem chamado Elio (filho de um casal de professores) e um homem mais velho chamado Oliver (assistente do pai de Elio). Tudo se passa no Norte de Itália, década de 1980, numa casa onde se fala inglês, francês e italiano, numa fluida atmosfera linguística que nos envolve como um braço que puxa para dançar. De Heidegger a Bach, muita é a erudição que se combina com a particularidade doméstica, fazendo dos livros e do próprio ato da leitura uma sofisticada sugestão erótica.

Guadagnino estabelece deste modo uma correspondência entre a sabedoria e os impulsos do corpo, que só favorece a beleza do romance tácito, à espera do momento em que a pele fala mais alto E, justamente, essa espécie de sensualidade helénica - cuja comparação somos levados a fazer diversas vezes, dada a abundância de referências classicistas do filme - é transferida das estátuas para os corpos masculinos, como moldes de um ideal que já não diz respeito ao físico mas à alma. Veja-se aquela cena em que Elio (Chalamet) toca piano para Oliver (Hammer): é o corpo escultural do segundo, numa insinuante pose de estátua grega, que vislumbramos ao fundo da sala, enquanto aprecia Elio a tocar. Sobretudo, é a perfeição do encontro destas duas almas que interessa a Guadagnino, partilha, aliás, assinalada no título Chama-Me pelo Teu Nome, que poderá evocar o mito da alma gémea com que Platão define o amor n"O Banquete.

Naturalmente, perguntar-se-ão se o filme de Guadagnino não vem mexer com questões que estão na ordem do dia. Tirem-se as dúvidas: não é essa a lógica que o guia. Tal como os pais de Elio, e em particular na voz do pai (Michael Stuhlbarg), o realizador não problematiza o romance que nos dá a ver. É somente a expressão do amor que lhe interessa, na sua infinita graciosidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.