Armie e Timothée à espera da cerimónia dos Óscares

Os atores mais celebrados desta temporada de prémios revelam ao DN o encantamento com Chama-Me pelo Teu Nome, ainda sob o efeito do flirt com Luca Guadagnino

Conhecemos Armie Hammer como ator capaz de reinventar o lugar do galã em Hollywood. Veja-se o que fez em O Mascarilha, ao lado de Johnny Depp, ou a subtil desconstrução, por sinal muito descontraída, do espião sedutor em O Agente da U.N.C.L.E., de Guy Ritchie. Mas em 2017 decidiu "atacar" o cinema indie com dois papéis de homossexual: este Chama-Me pelo Teu Nome, de Luca Guadagnino, e o muito agradável Retrato Final, de Stanley Tucci, a estrear em breve. Interpretações suaves e com um naturalismo brilhante.

Quando o encontramos num hotel estupidamente luxuoso de Berlim, está ainda nas nuvens com as críticas consensuais de Chama-Me pelo Teu Nome e bastante divertido ao lado de Timothée Chalamet, o protagonista e seguramente a maior revelação desta década. Lado a lado, os atores são só sorrisos para a imprensa e têm uma química de dupla de comédia, eles que no filme têm um outro tipo de química.

Quando lhes perguntamos como se constrói essa intimidade preciosa que vemos nesta adaptação de James Ivory e Luca Guadagnino ao romance de André Aciman, beijam-se e riem-se. "Foi fácil! Ficámos sequestrados no Norte da Itália numa das mais belas vilas do mundo e onde ninguém falava inglês. Basicamente, só nos tínhamos um ao outro. Passámos muito tempo juntos, vimos bastante cinema, televisão e ouvimos muita música! Andámos de bicicleta, coisas que as personagens no filme fazem! Foi um presente maravilhoso", conta Armie Hammer, que antes de a entrevista começar fazia questão de dizer que era um homem heterossexual muito bem resolvido, coisa perigosa nestes dias de caça às bruxas das regras de comportamento sexual...

Chalamet, ao vivo, mantém a energia que vemos no filme e ainda não perdeu o olhar inocente (em Lady Bird, de Greta Gerwig, já mostra que pode ser um pouco mais cínico). Começa por nos contar que nunca se preocupou com as questão de sexualidade que algumas cenas poderiam ter: "Não sou um historiador de cinema, mas após ter visto Eu Sou o Amor e Um Mergulho Profundo, percebi que a sensualidade e a sexualidade nos filmes do Luca estão sempre ao serviço da história. Creio que é muito raro encontrar um papel com esta complexidade e substância. Foi fácil aceitá-lo e as cenas de sexo ajudam a explicar aquilo que as personagens estão a sentir." Aos 22 anos, é o único verdadeiro rival nos Óscares de Gary Oldman, o perfeito Churchill de A Hora mais Negra.

Mal o menino acaba de falar, Armie lembra que ver a fonte de energia e o talento do jovem Chalamet foi uma enorme aprendizagem. Costuma ser ao contrário... "Este filme mudou-me enquanto ator, embora todos os filmes o façam... Vou guardar esta experiência para sempre! Mas já rodámos este filme há muito. Depois de Chama-Me pelo Teu Nome, fiz outros trabalhos e, agora, quando penso, apetece--me fazer as coisas de forma diferente. Isso significa que estou a aprender, a acumular experiências...", acrescenta.

Sobre a banda sonora muito anos 1980, é Chalamet quem pede para falar: "É tão cool. Tem que ver com um período da vida muito especial do Luca. Podemos ter o Sufjan Stevens e depois Beethoven, mas depois chegam os Talking Heads e os Pyscadelic Furs." Não se está a esquecer de ninguém?! "Ah, sim, o FR David Enfim, é a colagem do Luca na sua cabeça. O homem fez um filme que em Hollywood ninguém é capaz de fazer." Quem vê o filme vai sentir sobretudo a experiência Sufjan Stevens, canções delicadas que nos põem a levitar, muito perto daquela alquimia do despertar de uma paixão.

Chama-Me pelo Teu Nome é um filme de um esteta, cheio de pormenores. Para Guadagnino era importante aqueles anos 1980 serem os da sua juventude, era importante a paisagem italiana ser da sua Itália privada e, ainda mais determinante, pormenores como os calções certos e as camisas de betinhos endinheirados. "Essas não eram as minhas referências, mas sim estritamente da geração do Luca. O desafio de um ator é esse, servir o cineasta. Tivemos uma assistente de guarda-roupa formidável. Nem imagina a quantidade de calções que testámos! Foi uma rodagem tão divertida! Via-me com aquelas roupas e perguntava: de certeza!? Ser dirigido por um italiano é uma diferença cultural enorme! A começar pelo facto de, por vezes, termos almoços muito longos. O Luca fez questão de que esta fosse uma experiência relaxada", comenta Hammer, neste momento a negociar para ser um modelo masculino às ordens no próximo projeto de Ruben Östlund.

Em Berlim, fevereiro passado, já se percebia que o hype do filme era gigante. Durante as crónicas diárias do festival relatámos o efeito de estrondo do filme, na altura acabado de ser adquirido pela Sony. O Festival de Sundance ainda consegue arrastar um filme para a ribalta. Sobre esse triunfo instantâneo, Timothée Chalamet tem uma teoria: "O que se passou em Sundance serviu sobretudo para me deixar relaxado aqui no Festival de Berlim. Em Park City foi uma loucura, ainda fiquei mais magro do que sou. Aqui já estou tranquilo, já não há pressão! Aqui eu e o Armie podemos desfrutar!" Armie Hammer, ao seu lado, ri-se e concorda, mas acrescenta: "Já fiz muitos filmes, mas mesmo com experiência continuo a ficar com receio antes de um lançamento. E o medo aumenta quando as críticas são positivas Agora estou naquela expectativa para ver quando vamos começar a ser atacados."

Meses depois, o estado de graça continua. O filme certamente terá nomeações importantes para os Óscares, mesmo não sendo um dos favoritos. Armie Hammer diz de chofre: "Fala-se já no filme para prémios em 2018? Eu sei, mas tento não pensar nisso. Prefiro pensar no que vou comer mal acabe esta conversa." Nem mesmo algum buzz negativo relativo ao facto de ser uma história de amor de um adulto e um miúdo de 17 anos terá diminuído o seu estatuto de prestígio. Chama-Me pelo Teu Nome tem aquele efeito encantatório automático, talvez o mesmo que um Clube dos Poetas Mortos, de Peter Weir, teve para uma geração nos anos 1980.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".