"Convosco, D.A.M.A." Retrato de uma estreia na Meo Arena

O trio atuou perante uma sala cheia e repleta de mães a acompanharem os filhos adolescentes e pré-adolescentes

O cronómetro fez a contagem decrescente para a entrada dos três em palco e os últimos 20 segundos foram gritados pela multidão. Miguel Coimbra, Miguel Cristovinho e Francisco Pereira pisaram o palco do Meo Arena às 21.57, enquadrados pelo símbolo da banda, um triângulo dentro de um círculo. Foi dali que saíram, um por um. "Sinto" foi o tema de abertura.

"Meo Areeeeeena!", gritaram, perante uma sala cheia e repleta de mães a acompanharem os filhos adolescentes e pré-adolescentes ao concerto, o primeiro da banda nesta sala de espetáculos. Com capacidade para 14 mil pessoas, a sala estava cheia, com uma clareira na zona dos bilhetes mais caros (40 euros) e no balcão 2. Era quase

"Calma" foi o segundo tema da banda. "E lá vou eu...". À terceira canção, a banda falou para desejar "boa noite" e agradecer a todos os que foram ver o concerto. Por baixo, os acordes de "Agora é tarde", com a sala em peso a acompanhar.

Apesar da proibição de usar telemóvel, a luz dos equipamentos fez concorrência às do palco. Afinal de contas, os vídeos antes do concerto pediam partilha de fotos com a hashtag #euvimaomeo. Mais tarde, seriam os próprios a pedir.

"Vejam o que nós fizemos, vejam o que vocês fizeram", disse Cristovinho.

Diogo Piçarra e Sebastião Antunes, autor da "Balada do Desajeitado", foram convidados surpresa da noite. Gabriel O Pensador, anunciado, também passou pelo palco. Cantou duas das suas canções, incluindo Cachimbo da Paz, improvisou e saiu para regressar quase no final para Não Faço Questão, uma parceria com os D.A.M.A.

Um desfile de êxitos

Luísa, uma das canções mais populares do primeiro disco, Questão de Princípio, foi tocada nesta primeira parte do concerto. À medida que o concerto avançava, os cantores foram falando cada vez mais com o público.

Sebastião Antunes seria a primeira surpresa no alinhamento dos D.A.M.A., cantando o original de "Balada do Desajeitado", que faz parte do currículo do cantor com os Quadrilha. "Há 19 anos esta música mudou as nossas vidas, e talvez as vossas também. "Façam barulho para o Sebastião", pediu Francisco Pereira. O pedido ouviu-se muitas vezes durante as quase duas horas de concerto, com paragem obrigatória pelas canções mais populares.

Diogo Piçarra, o outro convidado surpresa da noite, inaugurou com Miguel Cristovinho o palco secundário, no centro do Meo Arena, com uma versão de Por quem não esqueci, cantada pelos Sétima Legião e Xutos e Pontapés. Seguiu-se Tu e Eu, uma canção que rivaliza com as grandes sucessos dos D.A.M.A.

Não Dá e Popless, abriram caminho à entrada em cena de Gabriel O Pensador. Pelo meio, agradecimentos ao público. "Tantos meses a sonhar com isto e depois passa em 10 minutos", atirou Miguel Cristovinho. "Foi muito melhor do que nos nossos sonhos", segundo Francisco Pereira.

Houve confetis e um encore, a selfie da praxe e, depois das luzes se acenderem, o meet & greet para o público que estava nas primeiras filas.

O que dizem os fãs

Acompanhadas pela mãe de uma delas, quatro raparigas de 11 anos ainda cantavam nos corredores do Meo Arena depois do concerto acabar. Matilde Cardoso Pereira ficou rendida com Não Faço Questão, uma das respostas que mais se ouviram no final do concerto. "A minha parte preferida foi com Gabriel O Pensador", disse Camila Pissara. A amiga Matilde Neto preferiu Não Dá, a canção preferida. Lara Ribeiro, que estava num concerto grande pela primeira vez, gostou "daquela parte em que pensei que tinha acabado voltaram. Enquanto os fãs das primeira filas, esperavam pela foto e cumprimentos oficiais, a fila do merchandising não parava de crescer.

Alinhamento:

1. Sinto

2. Calma

3. Agora é Tarde

4. Luísa

5. Quer

6. Balada do Desajeitado

7. Mentiras

8. Não Dá

9. Popless

10. O Maior

11. Era eu

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG