A luta de almofadas de Banksy em hotel com vista para o muro na Cisjordânia

Um hotel palestiniano, repleto de obras de arte da autoria do misterioso artista de rua britânico Banksy e erigido junto ao muro construído por Israel na cidade de Belém, foi hoje apresentado aos jornalistas.

Nesse vislumbre da nova casa de hóspedes, o proprietário apelidou-a sarcasticamente de "hotel com a pior vista do mundo".

Wisam Salsaa, de 42 anos, revelou que o estabelecimento de nove quartos, chamado Hotel Walled-Off, será oficialmente inaugurado no dia 11 de março, mas permitiu a um grupo de jornalistas uma visita, com vista direta para a barreira de separação da Cisjordânia, erguida por Israel.

O muro está intensamente decorado por pinturas de diversos artistas, tendo Banksy já pintado vários murais na parede.

O grande destaque do hotel é o quarto número três, conhecido como "O quarto de Banksy, no qual os hóspedes dormem numa cama king-size sob uma pintura de Banksy que ilustra um palestiniano e um israelita numa luta de almofadas.

O hotel também possui uma suite presidencial e um museu com o trabalho de pendor mais político do artista.

Os quartos mais baratos estão disponíveis por 30 dólares por noite.

Banksy fez anteriores incursões nos territórios palestinianos. Numa visita secreta, pintou uma menina a ser puxada para cima por balões, na barreira junto à qual se encontra agora o seu projeto atual.

No ano passado, acredita-se que terá entrado furtivamente em Gaza para pintar quatro murais de rua, um dos quais numa porta de metal, que retrata a deusa grega Niobe encolhida junto aos escombros de uma casa destruída.

A pintura, intitulada Danos de uma bomba, foi desenhada na parte restante de uma casa de dois andares, que foi destruída na guerra de 2014.

Os trabalhos satíricos do artista - ratos, polícias a beijarem-se, polícias de choque com caras de smileys amarelos - apareceram inicialmente em paredes de Bristol, antes de se espalharem por Londres e depois pelo resto do mundo.

As obras de arte de Bansky refletem temas como a guerra, a pobreza infantil e o meio ambiente.

A identidade do artista permanece um mistério, mas seus trabalhos têm alcançado valores da ordem dos 1,8 milhões de dólares em leilões.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG