No vale do Dão, os remédios caem do céu

Quando o fogo do ano passado isolou as populações e destruiu a farmácia da aldeia, o farmacêutico encontrou uma solução: entregar os medicamentos por drone.

"Hoje tenho visitas", e Abílio Abrantes, 77 anos, escangalha-se a rir. À aldeia do Penedo, no concelho de Tondela, ninguém vem parar por acaso. É um povoado de casas graníticas do vale do Dão, fica no alto de um planalto que não é caminho para lado nenhum. Os seus 50 habitantes, quase todos idosos, estão ali esquecidos e por isso, quando chega um forasteiro, toda a gente assoma à porta para se inteirar das novidades.

Há pouco mais de um ano, na noite de 15 para 16 de outubro, o fogo entrou neste vale com a força da morte. Roubou uma vida na principal aldeia das redondezas, a Lajeosa do Dão, e destruiu umas dezenas de casas, incluindo aquela onde vivia Abílio. "Nessa noite tinha havido festa na aldeia, era o aniversário da sociedade recreativa. Assaram-se umas chouriças e encheram-se uns jarros de vinho e veio cá o rancho de Cabanas de Viriato. Foi festa rija."

Ainda não eram onze da noite quando o homem se foi deitar, atrás dos montes viu o clarão das labaredas - iam longe. Duas horas mais tarde bate-lhe a irmã à porta. "Sai daí que a casa está a começar a arder." Só teve tempo de se vestir e ver as chamas engolirem a morada do seu nascimento. Tudo em cinzas em menos de nada.

Às primeiras horas de sol, levou a mão na testa: "Ai os remédios." A diabetes e a hipertensão obrigam-no a tomar 15 fármacos por dia, sem eles vai-se logo abaixo. Mas o fogo ardera a medicação, por isso meteu-se no carro e fez-se à estrada que ainda fumegava. "Quando cheguei à Lajeosa, percebi que a farmácia estava arder. E entrei em pânico, como é que eu ia sobreviver sem os comprimidos?" Quase perdeu os sentidos, levaram-no ao hospital, passou 15 dias internado com ameaça de um enfarte.

Desde que voltou à aldeia, esta é a primeira vez que recebe visitas fora do hospital. "Vem cá o aranhiço ver-me", diz o velhote, cajado na mão e um chapéu enterrado até às orelhas. É esse o nome que ele dá ao drone que vem entregar os medicamentos à população do Penedo e de mais uma série de aldeias isoladas do vale. "Agora, mesmo que venha fogo, mesmo que uma árvore caída com o vento nos feche a estrada, o remédio chega à mesma." Aquele aranhiço não é só um helicóptero estranho que lhe anima os dias. Também pode salvar-lhe a vida.

Humanidade no meio do mato

A semana passada, a Associação Nacional de Farmácias anunciou o vencedor do prémio João Cordeiro, que distingue os melhores projetos de inovação do país. A notícia do primeiro lugar permaneceu invisível na comunicação social, mas causou surpresa no meio: foi atribuído à Farmácia da Lajeosa do Dão, precisamente por causa deste sistema de distribuição de medicamentos via drone às populações mais isoladas da região.

"A ideia surgiu-me uns meses antes do incêndio, mas foi depois de perceber as consequências que o fogo tinha deixado que senti que era uma solução eficaz para uma região envelhecida e cada vez mais despovoada", diz Hugo Ângelo, 42 anos, farmacêutico da terra e mentor do projeto. Começou tudo porque um dia, quando ia a caminho da Lajeosa, ouviu na TSF uma entrevista a dois engenheiros do Porto que estavam a desenvolver um projeto de entregas de correio urgente via drone. "Contactei-os e expliquei a minha ideia. Eles concordaram logo."

A Connect Robotics é uma startup da Universidade do Porto que usa os drones para o mercado de distribuição. Está a desenvolver um sistema de entregas urgentes de correio com os CTT e outro de transporte de análises clínicas rápidas com a Fundação Champalimaud. "Aqui havia nesta ideia uma forte componente social de proteção às populações mais desfavorecidas. E isso agradou-nos muito", diz Eduardo Mendes, 34 anos, o engenheiro mecânico que tem ajudado Hugo com a sua farmácia voadora. "Nos incêndios do ano passado todos vimos quão abandonada está esta gente. Então, se podemos ajudar a atenuar esse abandono, só podemos estar certos."

Lajeosa é sede de freguesia no concelho de Tondela, tem pouco mais de 1500 habitantes. "Por ano regista cinco a seis nascimentos e 30 a 40 óbitos", conta Hugo. "Temos uma população cada vez mais velha, que precisa de cuidados continuados." Em 2011 a população boicotou as eleições legislativas - o centro de saúde já só tinha médico uma vez por semana e o fecho das urnas a cadeado levou a que conseguissem uma médica em permanência.

"A farmácia aqui é essencial. Servimos todo o vale, o que inclui uma série de aldeias dos concelhos de Viseu e Carregal do Sal." A maioria não tem carro, normalmente ligam e pedem a Hugo que lhes leve a cura a casa. "E agora podemos fazer isso sempre, a qualquer dia e a qualquer hora. Num sítio onde tudo chega com atraso, pelo menos nisto não haverá demoras: no socorro dos medicamentos."

Mobilidade a toda a prova

Do alto dos seus 88 anos, Manuel Pexim orgulha-se de uma vida cheia. Só lamenta ter ali as duas bicicletas paradas, com elas ia vender azeite à Lajeosa e a Carregal do Sal. Mas agora as pernas já não lhe dão para pedalar. Em boa verdade, nem lhe dão para caminhar com fluidez, precisa de um andarilho se quer ir do quarto à sala, e daí ao quintal. O maior problema da sua vida tem sido esse, o de não poder pedalar. "Era de bicicleta que ia buscar os remédios à farmácia. Agora estou dependente que me venham cá trazê-los."

Manuel e a mulher, Carolina, 92, vivem num lugar de cinco casas chamado Deldoreto, um ermo à saída da aldeia de Beijós, Carregal do Sal. Ele precisa dos comprimidos para a osteoporose e para o coração, ela já anda meio esquecida, "além destes ainda tem de tomar os da memória". E eles chegam, semanalmente. Antes vinham de carro, agora vêm de aranhiço.

"Uma das minhas primeiras preocupações quando desenvolvi este projeto foi a segurança das minhas funcionárias", conta Hugo Ângelo, que dá trabalho a seis mulheres e por isso é um dos maiores empregadores da região. "Numa farmácia de província, as pessoas telefonam e na maior parte das vezes os farmacêuticos têm de ir a casa aviar a receita." As estradas aqui são sinuosas, e às vezes as urgências chegam a meio da noite. "Há sempre um risco quando nos metemos no alcatrão, e às vezes nos caminhos de terra batida."

O drone não vai a casa de toda a gente, mas o problema da proximidade foi em grande medida resolvido. "Neste momento, temos licenças da Autoridade Nacional de Aviação Civil e da Autoridade Aeronáutica Nacional para cumprir cinco rotas. Então o que fizemos foi estabelecer protocolos com organizações em várias aldeias para que elas pudessem depois ir entregar às populações à volta." Associações recreativas, casas do povo, lares de terceira idade.

O aranhiço chega hoje à Cáritas de Beijós sem atraso e à porta do centro de dia juntou-se um aglomerado de velhotes, estão à espera dos seus medicamentos. Batem palmas quando o drone aterra. Filipa Serrazes, a assistente social, vai falando por skype com Hugo Ângelo, abre a caixa de transporte dos medicamentos e verifica se está tudo correto. Numas embalagens escreve as indicações de toma e entrega-as diretamente, noutras tem de preparar caixas semanais. Depois sai no carro e vai levar os comprimidos a Deldoreto. Manuel e Carolina esperam-na à porta.

É uma viagem de 15 quilómetros, desde a farmácia até casa dos Pexim. Mas, agora, gastaram-se apenas dois quilómetros de gasolina. "O custo por quilómetro do uso do drone é inferior a dez cêntimos, o que torna esta operação de proximidade muito mais viável", garante Hugo Ângelo. "É que às vezes fazemos uma série de quilómetros porque alguém precisa com urgência de um determinado medicamento e os gastos de transporte não compensam." Nos últimos cinco anos, segundo a Associação Nacional de Farmácias, triplicou o número de farmácias em insolvência. Em 2017, 21,4% das farmácias portuguesas estavam em risco de fechar. Sobretudo no interior do país.

As devidas condições

Há um ano, o fogo na Lajeosa entrou pelas traseiras do edifício da farmácia, que era precisamente a zona onde estavam guardados os fármacos mais inflamáveis. "Quando me apercebi que ia perder tudo, corri para salvar o disco rígido, que era onde tinha a informação dos utentes, das suas condições clínicas e dos seus medicamentos.", conta agora Hugo, ao mesmo tempo que abre a porta da casa e mostra o interior. Tudo negro e retorcido pelo calor. Na parte da frente há medicamentos que as chamas não tocaram, sim, mas foram sujeitos a temperaturas demasiado altas e estão inutilizados.

"Não havia luz e por isso arranjei um gerador, instalei o disco num computador e tratei logo de pedir às empresas de distribuição que me abastecessem com as necessidades mais urgentes." Nas 30 horas seguintes, enquanto os bombeiros tentavam salvar sem efeito a farmácia, ele tentava procurar os pacientes em maiores apuros, esclarecer quem tinha perdido casas, atender às emergências. Este ano, a 16 de outubro, Marcelo Rebelo de Sousa veio ao concelho de Tondela e decidiu visitar a farmácia perdida para o incêndio. Hugo Ângelo recebeu um louvor da câmara pelo seu esforço nesses dias.

Agora está provisoriamente instalado na junta de freguesia da Lajeosa, enquanto não terminam as obras de construção de um novo edifício. "Podia ter recuperado o que ardeu, mas decidi seguir as instruções do Presidente e aproveitar a tragédia como oportunidade de melhorar os serviços." Um edifício de raiz, que ele quer tornar referência regional. Com pista de descolagem e aterragem para drones.

Há de ter mais rotas, e há de poder transportar mais medicamentos. Por enquanto estão interditos os psicotrópicos - para que não haja risco de desvio - e os fármacos que necessitem de viajar a baixas temperaturas. "Tivemos de criar um compartimento especial, uma caixa inviolável e que garantisse a estabilidade térmica, para assegurar total segurança na distribuição." Sem isso, e sem a garantia de que as comunicações por skype preservariam a correta posologia, nunca teria sido possível ter a aprovação do Infarmed.

Abílio Abrantes agarra-se à enxada e fica francamente feliz quando vê o aranhiço pousar aos seus pés. A rota veio pré-estabelecida da Lajeosa, o drone nem sequer traz condutor, mas o homem regozija-se porque sabe que aquela visita é para ele e para ele apenas. "Nós estamos aqui nos arredores do mundo mas temos televisão, sabe, sabemos que estas coisas existem", diz o velhote. "O que nunca pensámos é que íamos ver isto aqui no nosso tempo de vida. Quem havia de dizer, hein, um aranhiço de ferro a voar para trazer os remédios ao Penedo?"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.