Ingleses enchem hotéis do Algarve para fugir ao zika e ao terrorismo

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, vem frequentemente passar férias ao Algarve

Reservas para os meses de verão cresceram 35%. Há hotéis já quase esgotados. Britânicos correm para marcar férias seguras

Marcar férias de verão no Algarve este ano pode tornar-se uma tarefa difícil muito em breve. É que os turistas estrangeiros, com os britânicos à cabeça, já estão a fazer as suas reservas em busca de um destino de praia seguro, em fuga dos destinos sob ameaça terrorista ou do zika. Resultado: as reservas para o verão aumentaram 35%, já nesta altura, em relação ao ano passado e há hotéis praticamente sem lugares para a época alta.

"Temos alguns hotéis já com dificuldade em fazer reservas para os meses quentes", reconhece Desidério Silva, presidente do Turismo do Algarve. Todo o setor hoteleiro e do turismo espera, por isso, que este ano seja muito positivo para a região. O aumento da procura está ligado, aponta Elidérico Viegas, presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), "a um desvio de fluxos turísticos de destinos concorrentes na bacia do Mediterrâneo e no Magrebe". A que se juntou a epidemia de zika que também "tem trazido mais turistas para esta região", acrescenta o responsável.

Elidérico Viegas considera mesmo estarmos perante "um regresso ao passado". "Os turistas estrangeiros trocaram o Algarve por destinos como a Turquia, Tunísia ou o Egito, mas a instabilidade lá acabou por trazê-los de volta ao Algarve e ao Sul de Espanha."

De facto, os britânicos - a maioria dos turistas no Algarve - responderam recentemente num inquérito realizado pelo portal TravelZoo que a segurança era o fator mais importante na escolha do destino de férias. Daí a terem disparado as reservas para Espanha, Grécia e Portugal, foi um passo.

A própria companhia aérea low cost Ryanair alertou os britânicos para se apressarem a marcar as férias, antecipando que alguns destinos esgotem até ao fim de fevereiro. Em resposta ao DN, a companhia explica que "os clientes que normalmente marcam férias no norte de África, Médio Oriente e Turquia estão agora a escolher destinos do Mediterrâneo, por causa do medo do terrorismo".

A Ryanair registou assim um aumento de reservas de viagens para "Espanha, Portugal, Itália e Grécia", o que levou a empresa "a alertar os clientes que ainda não marcaram as suas férias de verão que o façam rapidamente, já que muitos hotéis estão a ficar esgotados".

No Algarve, os hotéis vão registando este aumento do interesse. Jorge Beldade, diretor-geral do Tivoli Marina Vilamoura, confirma uma grande procura nas reservas antecipadas, nomeadamente por ingleses. "Estamos a ter uma procura muito superior à do ano passado. As reservas antecipadas para o período de abril/outubro, subiram cerca de 15 a 20%." Pedro Lopes, do grupo Pestana, disse que "para já, a procura está acima da do ano passado e prevemos um aumento de receita de cerca de 10%".

Globalmente, este aumento de turistas ingleses, mas também franceses, holandeses e alemães, vai permitir ao setor manter o crescimento iniciado em 2014. França e Inglaterra têm dado particular destaque mediático ao Algarve, mostrando os seus segredos e considerando-o destino com a melhor relação qualidade-preço (texto ao lado).

O responsável pelo turismo da região acredita que não são só os problemas noutros destinos concorrentes que relançam o Algarve. Também "a diferenciação de ofertas e a divulgação do destino" ajudaram ao crescimento.

Esta procura antecipada significa que o Algarve vai "ficar esgotado mais cedo". "Os meses de verão já costumam ficar cheios", aponta Elidérico Viegas, mas "vai haver um aumento de receita". "Aumenta a procura, logo os preços vão continuar a recuperar. Esperamos um aumento da receita de 6%", adianta o presidente da AHETA.

A época turística começa já a animar no final do próximo mês com a Páscoa. Uma época que marca "o pontapé de saída para a época turística e é esperado um aumento de 5% na ocupação", refere Elidérico Viegas. No caso do Tivoli Marina Vilamoura a procura está ao mesmo nível do ano passado "mas ainda assim, vamos ter uma boa ocupação".

Já Pedro Lopes, do grupo Pestana, mostra-se satisfeito com a ocupação para a época média de março, abril e maio que "nos dá boas perspetivas". "Estamos com a ocupação a 70% e com as receitas a subirem para 10%".

Últimas notícias

Recomendadas

Contéudo Patrocinado

Mais popular