Tratamentos a alcoólicos em Lisboa em risco de acabar

Equipas estão exaustas, sem enfermeiros suficientes e já deixaram, de admitir doentes novos.

A Unidade de Alcoologia de Lisboa (UAL) internou esta semana os dois últimos utentes com problemas de alcoolismo por não ter recursos humanos suficientes para tratar mais e garantir que terão o acompanhamento adequado. Porém, há cerca de 70 em lista de espera já há três meses, garante um elemento da equipa da UAL. Apesar de os utentes e de a equipa temerem o fecho da unidade, o Ministério da Saúde garante que há medidas em curso e que a equipa terá reforço de dois enfermeiros.

Um grupo de utentes e amigos denunciou os problemas do centro especializado e lançaram um petição contra o encerramento do serviço, lembrando os sucessos no tratamento e na integração das pessoas com a doença do alcoolismo.

Pedro Múrias, um antigo utente, diz que se não houver reforço "a unidade vai fechar. Avançámos com a petição porque sabemos que o projeto devolve a vida às pessoas, que não saem de lá super medicadas e com rótulos. Há 12 anos salvou-me a vida", disse ao DN.

Manuel Cardoso, subdiretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) não escondeu a preocupação com a situação da unidade. "Estamos preocupados, porque a capacidade de resposta v ai diminuir. Não conseguimos dar as respostas às pessoas e isso não é aceitável". Esta é a única unidade hospitalar em Lisboa que responde a doentes de todo o País e em especial de Lisboa, sul e ilhas.

A unidade tem tratado mais de 250 pessoas. Responde aos casos mais graves de alcoolismo, que costuma m ser 40% do total e consegue recuperar mais de 30% destes doentes, com um programa de quatro a cinco semanas e que envolve psicoterapia, grupos pós alta e acompanhamento pelo menos durante dois anos.

O Inquérito Nacional d Saúde revelou que um terço dos portugueses têm consumos problemáticos. Portugal está entre os países europeus com maior consumo per capita, com 22,6 litros em 2010.

Os problemas têm longa duração, com a saída de quatro enfermeiros desde 2013 e um quinto na iminência de abandonar a equipa. "Neste momento temos cinco enfermeiros, que têm de "fazer turnos sucessivos para que a resposta seja garantida. Só em novembro fizeram mais de cem horas extraordinárias, que foram autorizadas, com turnos que chegam a 24 horas", refere o mesmo elemento da equipa.

Desde setembro e até agora, "a lista de espera engrossou, havendo 70 pessoas à espera de ser internadas". Numa situação normal, teriam resposta ao fim de um mês, mas já esperam há três." O serviço tem 25 camas para internamento e neste momento "só tem oito ocupadas. Entraram dois utentes esta semana. Mas não vamos admitir mais pessoas até ter a certeza que o problema fica resolvido."

A tutela respondeu ao DN que além da possibilidade de as equipas fazerem horas extras, "o concurso para a contratação de enfermeiros vai ser encerrado em 15 dias e dois desses enfermeiros deverão ser colocados no serviço." Mas a equipa diz que dois enfermeiros "não vão chegar".

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

Pub
Pub