Socialistas ameaçam retirar "confiança política" ao ministro da Saúde

Em causa a não nomeação de militantes do partido para o conselho de administração da Unidade Local de Saúde

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, pode brevemente ter em mãos um problema com a federação distrital da Guarda do Partido Socialista, que ameaça retirar a "confiança política" ao ministro.

De acordo com a Rádio Altitude, António Saraiva, presidente da federação distrital, terá enviado um email ao Ministério da Saúde e também à secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes. Também contactado foi Luís Patrão, elemento próximo de António Costa no partido.

Em causa estão as nomeações para o novo conselho de administração da Unidade Local de Saúde da Guarda (ULS). De acordo com o email, estas não integram "um único elemento da plena confiança" das estruturas concelhias e locais.

A mesma rádio refere que Adalberto Campos Fernandes terá já, há varias semanas, convidado a médica Isabel Coelho para ser presidente do novo conselho de administração da ULS. Isabel Coelho formou e dirige a única Unidade de Saúde Familiar da Guarda, já foi diretora do Centro de Saúde da Guarda e foi presidente da sub-região de Saúde do distrito, sempre com os socialistas no Governo.

Diz a Rádio Altitude que Isabel Coelho, mesmo não sendo filiada, é "próxima" do partido, tendo sido eleita para a Assembleia Municipal noutros mandatos. Será uma aposta pessoal do ministro da saúde para a presidência da ULS.

Com carta branca para nomear a restante equipa, Adalberto Campos Fernandes não quer que a eventual filiação ou não no PS seja um dos critérios, mas sim a experiência em cada uma das áreas da ULS.

Este critério, no entanto, não agrada às fações locais do Partido Socialista, que não querem ver um conselho de administração da ULS demasiado independente, ainda que com algumas ligações e conotações ao partido.

António Saraiva já tinha feito "insistentes contactos", de acordo com a mesma rádio", em Lisboa, como presidente da Federação Distrital do PS, para que conseguisse ter algo a dizer, pelo menos, na nomeação de um vogal cujo nome é indicado pelo Ministério das Finanças. Terá mesmo sugerido vários nomes, quase todos do órgão que dirige e preside.

"Não podemos de forma alguma concordar e aceitar a proposta da equipa para integrar o próximo" conselho de administração. "Em termos locais e distritais, não é possível que um conselho de administração como é a ULS da Guarda não integre um único elemento da plenja confiança das nossas estruturas locais e concelhias", pode-se também ler.

António Saraiva diz ainda ao ministro da Saúde que "é o desacreditar do PS em termos distritais, da nossa afirmação e+presença e como tal o arrastar de graves consequências políticas".

Referindo que até aparecem na futura equipa membros que fizeram parte de conselhos de administração do PSD, António Saraiva fala ainda num "demonstrar publicamente a nossa não confiança política aos responsáveis por esta decisão".

Anuncia ainda que a situação poderá levar ao "desvincular dos órgãos distritais por parte de alguns membros" e até que podem "vir a cair candidatos autárquicos".

A Rádio Altitude explica que estas declarações privadas vão contra a posição pública de António Saraiva, que sempre disse nunca querer condicionar a escola de nomes para a ULS. Esta atitude, porém, poderá ter a ver com a escolha do candidato do PS à Câmara da Guarda.

A hipótese António Saraiva é forte, mas o presidente da federação não pensa nessa hipótese, faltando-lhe um motivo para dar a nega a uma possível candidatura. Este email pode ser agora o "motivo", visto que o mesmo não afasta o abandono das funções partidárias para não ser candidato.

De acordo com a rádio da Guarda, o próprio António Saraiva teria indiciado há alguns meses o nome de Isabel Coelho para o cargo que esta agora deverá ocupar.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub