Uma troca de olhares com o passado

A TOCA DO LOBO Catarina Mourão

Quem foi Tomaz de Figueiredo (1902-1970)? A pergunta conduz o filme de Catarina Mourão, finalmente em estreia comercial, mas também convoca a memória pública da figura. O escritor que dá nome à biblioteca de Arcos de Valdevez é avô da realizadora, mas um desconhecido para ela, fora das lombadas dos livros. Pelo menos, até à feitura do documentário, que lança uma viagem íntima sob o título de um desses livros.

Neste A Toca do Lobo, entre documentos, registos diversos e álbuns de fotografias que organizam o passado mudo, complementados por depoimentos, nomeadamente da sua mãe (a filha de Tomaz de Figueiredo), Catarina Mourão é detetive sem gabardine.

E o mais fascinante é o modo como se seguem as pistas, que tanto remetem para a especificidade histórica e política do país, como para os detalhes da psicanálise familiar. Um dos momentos mais belos do filme dá-nos Tomaz de Figueiredo, em imagens de arquivo de um programa da RTP, a mostrar uma coleção de saquinhos de cachimbo que gostaria de dar às futuras netas. Olha diretamente para a câmara, premonitório, e nomeia uma delas: Catarina.

Classificação: ***

Últimas notícias

Em 2013, o Governo Passos obrigou-se a três campanhas de sensibilização da opinião pública, até 2020, para combater a discriminação dos ciganos. Em 2017, o candidato do PSD a Loures faz a campanha contra eles; as sondagens dizem que a maioria aprova. De acordo com a autarquia, serão menos de 600 em 204 mil habitantes, estas pessoas que tanto incomodam. Quem são? Que fazem? Como se reconhecem? Viagem a Loures, à boleia de um estereótipo

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Artes
Pub
Pub