Cozinhar. O Lado B de Virgul

Cozinhar é algo que Virgul faz desde muito novo. "Comecei muito cedo porque sou o irmão mais velho de casa e como os meus pais trabalhavam fiquei incumbido dessa tarefa. E com o tempo fui ganhando algum gozo, sobretudo ao ver a minha mãe a fazer os preparos. Hoje em dia é algo que me relaxa, sobretudo o cortar os alimentos e imaginar como poderei preparar as coisas para os outros."

O ex-vocalista da banda Da Weasel e que já conta 25 anos de carreira, tem na cozinha o seu lado B, apesar de sublinhar na conversa com o DN que não é "nenhum especialista". "O maior prazer de um cozinheiro é ver a satisfação dos outros a comerem o que preparámos." E isso, diz, tanto acontece quando cozinha para amigos ou para as duas filhas.

Virgul, para além dos Da Weasel, integrou os Nu Soul Family. Conquistou, em 2010, o Best Portuguese Act dos MTV Europe Music Awards e já lançou a solo dois trabalhos Saber Aceitar (2017) e Júbilo (2020).

De volta aos tachos, Virgul, nome artístico de Bruno Silva, conta que gosta de cozinhar pratos clássicos da cozinha tradicional portuguesa e da cozinha africana, em especial de Cabo Verde, mas gosta de meter um ou outro ingrediente secreto - que não revela, claro.

"No dia-a-dia gosto de ser prático, mas muitas vezes preparo algo mais especial aos fins de semana. Gosto de cozinhar um bom bife à portuguesa com os tais ingredientes secretos [risos]." E não, não canta a cozinhar. Gosta de ouvir música enquanto cozinha e não dispensa um bom vinho alentejano para acompanhar os seus cozinhados.

Segue-se a pergunta quase boa óbvia para final da conversa: com tamanho gosto pela cozinha porque não ter um restaurante em nome próprio? Virgul, 42 anos, partilha um dos seus sonhos: "Já pensei nisso imensas vezes, estou a pensar fazer algo lá para os 50 anos, mas gostava de ter uma coisa intimista para o máximo de 15 pessoas e que, no mesmo espaço, pudesse ter música, tocada por mim ou por amigos."

filipe.gil@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG