Chef Alex Atala apadrinha festival Foodtopia em Lisboa

O jardim tropical de Belém, em Lisboa recebe, nos próximos dias 2 e 3 de julho o Foodtopia, um festival de gastronomia em que o conceituado brasileiro Alex Atala é cabeça de cartaz.

A primeira edição do festival de gastronomia Foodtopia vai realizar-se no próximo fim de semana ,vai contar com 50 chefs - nacionais e estrangeiros -, entre os quais o conceituado chef brasileiro Alex Atala, que será o embaixador deste festival internacional de comida na rua. O local escolhido é o jardim botânico tropical de Belém

Atala, proprietário do restaurante DOM em São Paulo e detentor de duas estrelas Michelin, a quem a premiada série da Netflix, Chefs Table, dedicou um episódio, traz a Lisboa um dos seus pratos mais reconhecidos confecionado com a formiga da Amazónia.

Henrique Sá Pessoa, do restaurante Alma em Lisboa com duas estrelas Michelin, Rui Paula, restaurante Casa de Chá Boa Nova em Leça da Palmeira com duas estrelas Michelin, Michele Marques da Mercearia Gadanha em Estremoz, Marlene Vieira do restaurante Marlene em Lisboa e António Galapito do Prado em Lisboa são alguns dos nomes nacionais confirmados. Estes vão apresentar propostas de pratos na rua com opções de carne, peixe e vegetarianas e também algumas sobremesas durante o fim de semana, por entre a vegetação com mais de 100 anos de história e mais de 600 espécies de vários continentes do jardim tropical de Belém.

De acordo com a organização, o festival da Foodtopia traz ainda histórias e assuntos relacionados com os fluxos migratórios para a globalização de pratos que serão discutidos através de "pontuais performances musicais e literárias ou de instalações artísticas no recinto, o propósito do festival é o de fazer da gastronomia o centro nevrálgico de uma celebração verdadeiramente global".

Fazem ainda parte do cartaz chefs e alguns pratos de várias regiões como Moçambique, Guiné-Bissau, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Brasil, Timor-Leste, Goa ou Macau. O chef africano Helt Arújo é um dos nomes do festival e Tony Fox, outro nome confirmado, reconhecido apelidado de "Rei da Cachupa" vai apresentar o prato que lhe deu o "título".

Para além dos chefs, vão estar também presentes três "instituições" de gastronomia tradicional portuguesa: Ramiro, uma das marisqueira de referência deLisboa, o Solar dos Presuntos, restaurante em Lisboa com quase 50 anos, e o Mugasa, restaurante de Anadia reconhecido pelo seu prato de leitão à Bairrada.

Franceses a cozinhar em Lisboa

Foodtopia está também incluído no programa da Temporada Cruzada Portugal-França 2022, iniciativa que engloba mais de 200 projetos e cerca de 450 eventos, que visa aprofundar a ligação entre Portugal e França. Por isso, vão estar presentes chefs franceses, alguns a viver ou a trabalhar em Portugal, outros a visitarem Lisboa para o evento. Vincent Farges, chefe do Epur em Lisboa com uma estrela Michelin, Krishna Léger do Volver em Serviers-et-Labagne e o chef Jean-Luc Damien-Verdeau são alguns dos exemplos que vão estar no festival.

O primeiro dia vai contar com a presença de Rui Paula, Aaron Rosenthal, Alana Mostachio, Alessandra Borsato, Alexandre Silva, Bernardo Agrela, David Q. Jesus, Dulce Silva, Filipe Ramalho,Jean-luc Damieux-Verdeau, Jessica Giovani, Joana Duarte, Joana Thöny, Juliana Penteado, Julien Montbabut, Leonor Godinho, Manuel Maldonado, Marcella Ghirelli, Mário Rolando, Maurício Vale, Miguel Peres, Natalie Castro, Nikita Polido, Pedro Almeida, Sheila Abreu, Tony Fox e Tricky"s.

Para o segundo dia estão confirmadas a presença dos chefs: Henrique Sá Pessoa, Aaron Rosenthal, Américo dos Santos, Ana Moura, Ana Raminhos, Angélica salvador, António Galapito, David Jesus, Frederic Breitenbucher, Gil Fernandes, Helt Araújo, Hugo Araújo, Hugo Brito, Hugo Candeias, Jean-luc Damien-verdeau, Jessica Giovani, João Sá, Louis Anjos, Mário Rolando, Marlene Vieira, Michele Marques, Ricardo Nogueira, Rodrigo Castelo, Rui Silvestre, Telmo Moutinho, Tiago Bonito e Vincent Farges.

No dia 2 de julho, sábado, as portas do Jardim Botânico Tropical vão abrir ao meio-dia e fecham às 23 horas. No dia seguinte, 3 de julho, as portas do festival fecham meia hora mais cedo.O preço dos bilhetes diários é de 10 euros e não incluem a alimentação, os pratos custam, todos, 6 euros. As crianças com idade inferior a 12 anos não pagam. O conceito foi criado pela agência Amuse Bouche e coorganização da Câmara Municipal de Lisboa e o apoio do Turismo de Portugal e da Universidade de Lisboa.

mariana.goncalves@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG