Zuckerberg cria novo serviço. A forma como lê notícias no Facebook vai mudar

Fundador da maior rede social do mundo anuncia o Facebook News

"Pela primeira vez haverá na app do Facebook uma área dedicada exclusivamente às notícias". É desta forma que o fundador da maior rede social do mundo, Mark Zuckerberg, anuncia o lançamento do Facebook News, esta sexta-feira.

Num texto publicado no The New York Times, Zuckerberg afirma que este novo serviço não será simplesmente um sistema automatizado: "Porque as pessoas continuam a ser melhores a escolher as notícias mais importantes de melhor qualidade, o Facebook News terá curadoria de uma equipa de jornalistas veteranos. Num nível abaixo, haverá uma vasta seleção de histórias que serão personalizadas através de um algoritmo".

Esta nova área tem ainda preocupações de combate às notícias falsas: "Cada história terá a indicação precisa da sua proveniência -- os meios de comunicação têm-nos dito ao longo dos anos que este fator é particularmente importante", escreve Zuckerberg.

Também por isso nem todos poderão ver os seus conteúdos divulgados pelo Facebook News. "Estamos a criar standards exigentes para quem pode publicar no Facebook News. Se um órgão de comunicação publicar desinformação, desaparecerá deste produto", promete o fundador do Facebook.

O novo produto foi também esta sexta-feira discutido por Zuckerberg com Robert Thomson, presidente executivo da News Corp., numa emissão em direto via Facebook.

"Acredito profundamente no bem social do jornalismo. Nunca foi tão importante como hoje: precisamos de notícias para escrutinar os poderosos, documentar de forma rigorosa os acontecimentos e descobrir novas verdades. Isto torna a nossa sociedade melhor", afirma o presidente da maior rede social do mundo.

Em comunicado oficial, o Facebook explica anda que esta área será dividida em três secções: Notícias do dia, notícias personalizadas, tópicos e subscrições (ver vídeo nesta página). Há ainda a possibilidade de controlar que fontes, temas ou artigos o leitor não quer ver.

O serviço está disponível para já nos Estados Unidos, mas virá em breve para o Velho Continente. "Estamos a começar com órgãos de comunicação social franceses", disse ao DN o diretor de parcerias noticiosas para a Europa, Jesper Doub. "Poderá ser um pouco diferente do que acontece nos EUA, mas queremos trazer a ideia de uma área dedicada às notícias para mais países".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG