Urso pardo em Portugal? Cientistas não confirmam

Especialistas no estudo de grandes carnívoros não confirmam as notícias que têm saído nos últimos dias sobre o avistamento de ursos em território português. "Este histerismo só prejudica a conservação dos animais."

Começou tudo na terça-feira, quando Carlos Aguiar, professor de botânica do Instituto Politécnico de Bragança, divulgou uma fotografia de uma suposta pegada de urso no norte do país. A legenda parecia deixar pouca margem para dúvidas: "Confirmada a presença de ursos (Ursus arctos) divagantes no Barroso. Fotografia de pegadas (identificação confirmada por especialistas) da autoria do meu primo Joaquim Moutinho da Silva." Só que a confirmação, afinal, não está confirmada.

"Nunca pensei que isto tomasse estas proporções", disse o professor ao DN. "Partilhei apenas uma impressão nas redes sociais, não numa revista científica, e limitei-me a tomar por certas as declarações de um familiar meu, autor da imagem." Mas os dados já estavam lançados e a comunicação social deu-lhes eco imediato.

"Não podemos confirmar esta presença de urso no território nacional", diz Francisco Álvares, investigador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto e membro do LCIE - Large Carnivore Initiative for Europe, um grupo de especialistas da União Internacional para a Conservação da Natureza focado no estudo e conservação de grandes carnivoros - onde se incluem o lobo, lince e urso-pardo.

"Aquela fotografia está longe de provar alguma coisa, podem até ser duas marcas paralelas de javali. E se por um lado estes relatos de avistamentos parecem apontar para a possibilidade de uma presença, por outro sabemos onde os ursos estão em Espanha. O caminho que teriam de percorrer até chegarem a esta região tem demasiados obstáculos humanos." Pontes, estradas e até autoestradas. "Pode ser verdade, mas não é uma probabilidade."

Tudo o que está confirmado neste momento é o avistamento de ursos a uma vintena de quilómetros da fronteira portuguesa - e nem sequer na região do Barroso, antes no norte da província de Zamora, perto do Parque Nacional de Montesinho. "É provável que nos próximos anos venhamos ter a presença de ursos em território nacional, sim, mas apenas de indivíduos dispersantes, dificilmente teremos reprodução de animais no nosso território", diz Francisco Álvares

A presença de um urso em terras de Barroso não está confirmada, mas o biólogo anuncia que a Universidade do Porto vai deslocar para aquela região um investigador nas próximas semanas, a fim de apurar se o urso de que toda a gente fala é ou não um urso. "Este histerismo cria sérios problemas de conservação da natureza, porque assusta as populações e fá-las tomar pedidas preventivas de proteção que podem pôr em causa a sobrevivência do próprio urso, se ele for real, ou de outras espécies ameaçadas."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.