Três casos de filhos de padres católicos são levados ao Vaticano

Um psicoterapeuta irlandês encaminhou nos últimos meses para o Vaticano três casos de pessoas que têm como pai padres católicos, sendo que muitos destes casos ocorrem em África.

Estes casos foram noticiados pela agência de notícias AP sendo que o Vaticano não publica estatísticas sobre o número de padres que tiveram filhos. A Igreja Católica, no entanto, admitiu publicamente já este ano que isso é um problema, mas só porque foi obrigada a reconhecer que havia elaborado diretrizes internas para lidar com esta situação.

O homem por trás da divulgação destas diretrizes foi Vincent Doyle, o psicoterapeuta irlandês, que também é filho de um padre. Doyle lançou em 2014 uma página na Internet, a Coping International, para ajudar outros filhos de padres.

Os casos enviados para o Vaticano são de um queniano de 30 anos, Gerald Erebon, e de dois adolescentes, um camaronês de 17 anos e outro de 15 anos nascido no Reino Unido.

Segundo a família da mãe de Gerald Erebon, um padre missionário italiano engravidou a queniana quando tinha apenas 16 anos, o que não surpreende Vincent Doyle, pois estima que cerca de 5% dos nascimentos de filhos de padres são resultado de sexo entre padres e menores, de acordo com alguns dados de que dispõe.

No total, Doyle acredita que os filhos de padres são na casa dos milhares.

O psicoterapeuta irlandês está a tentar sensibilizar os meios de comunicação para a situação dessas crianças, que frequentemente sofrem emocional e psicologicamente, além de ser o porta-voz das mães das crianças, algumas das quais eram muito jovens quando ficaram grávidas.

O reverendo Stephane Joulain, especialista em prevenção de abusos sexuais de clérigos em África, disse que a maioria dos casos de abuso sexual de menores na África envolve padres missionários estrangeiros, mas também há um número significativo de padres africanos que têm filhos, devido a normas culturais.

"Você torna-se homem apenas quando é pai de filhos", referiu o religioso, que cita padres ao explicarem a pressão que sofrem da família para terem filhos.

A violação dos votos de celibato entre o clero africano não é segredo para o Vaticano. Quase todas as vezes que um grupo de bispos africanos visitava o Vaticano durante o papado de Bento XVI, o papa lembrava-os da necessidade de treinar os padres para "abraçar o dom do celibato".

Exclusivos