Sonda da NASA sobrevoa objeto mais distante de sempre

A sonda espacial New Horizons da NASA sobrevoou hoje o objeto mais distante alguma vez visto, informou o diretor científico da missão.

"Nunca antes uma nave espacial explorou um objeto tão distante", afirmou Alan Stern, referindo-se ao 'Ultima Thule', um vestígio congelado da formação do sistema solar.

"Vai New Horizons!", exclamou Stern enquanto a sua equipa lançava exclamações de felicidade no laboratório de Física Aplicada da universidade Johns Hopkins, no estado americano do Maryland.

Era 5.33 quando as câmaras da nave apontaram para Ultima Thule.

Ultima Thule fica a cerca de 6,4 bilhões de quilómetros da Terra. Os cientistas esperam que sua observação ajude a entender melhor como o sistema solar foi formado.

A Sonda espacial terá tirado cerca de 900 imagens durante os poucos segundos em que sobrevoava o Ultima Thule a uma distância de cerca de 3.500 quilómetros.

A confirmação das imagens só será dada hoje por volta das 15:00.

Para já, imagens só as do vídeo da NASA acompanhado pela música de Brian May. O guitarrista dos Queen, formado em astrofísica, criou uma música especialmente para a missão e deverá trabalhar em algumas das imagens.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.