Rachel McKinnon: uma ciclista transgénero na frente do pelotão

Ciclista do Canadá foi atacada nas redes sociais depois de ganhar uma prova de velocidade em Los Angeles. A vitória foi injusta?

A ciclista Rachel McKinnon celebrou a vitória na prova de velocidade de Los Angeles, nos EUA, com um enorme sorriso na cara. Ganhou a medalha de ouro na prova feminina no escalão 35-44 anos. Mas a alegria não durou muito. Pouco depois, começou a receber mensagens de ódio: McKinnon é uma atleta transgénero, nasceu homem, e por isso muitos consideraram que a sua vitória é injusta. Uma das pessoas que se queixou foi precisamente a atleta que ficou em terceiro lugar na prova, Jennifer Wagner.

A ciclista do Canadá, que é também professora assistente no departamento de Filosofia na Universidade de Charleston da Carolina do Sul e especialista em estudos de género, reagiu às críticas: "Eu treino 15-20 horas por semana, 5 a 6 dias por semana. Sim... limitei-me a saltar do sofá e a ganhar. São todos uns fanáticos transfóbicos", escreveu no Twitter, após a vitória. McKinnon explicou ainda que a sua performance foi melhorando ao longo dos últimos meses, desde as provas de qualificação até à final, apesar de competir em "desvantagem" com as outras atletas: "Eu ainda sou forçada a ter um valor de testosterona que não é saudável... é tão baixo, é praticamente indetetável... muito abaixo da média para as mulheres", queixou-se.

Rachel Mckinnon diz que percebeu aos 13 anos que a sua identidade real não se coadunava com o que tinha no bilhete de identidade. Mas só perto dos 30 anos teve coragem para iniciar a mudança. Nos últimos anos, tem feito muita investigação para perceber a importância da testosterona nos resultados desportivos dos homens e concluiu que a sua influência é bastante diminuta: "É verdade que há uma diferença nos resultados dos atletas de elite masculinos e femininos. Mas há várias questões a ter em conta", diz. "Porque é que há essa diferença? As pessoas gostam de respostas simples e dizem que é porque os homens têm mais testosterona. Mas os nossos corpos não são simples; são complexos e confusos e belos. Vemos que 1/6 dos atletas masculinos de elite têm níveis de testosterona abaixo da média feminina, no entanto os seus resultados são melhores. Então, não é por causa da testosterona. E também notamos que essa diferença entre homens e mulheres na alta competição está a diminuir." Por outro lado, McKinnon defende que cada pessoa tem "uma vantagem genética" que a torna boa num determinado desporto - essa vantagem existe em qualquer pessoa e não é considerada injusta, então porque o será para os atletas transgénero?

"Não podemos ter uma uma mulher, legalmente reconhecida como tal na sociedade, e depois não reconhecer os seus direitos no desporto", afirmou McKinnon numa entrevista recente ao USA Today. "Pôr o foco nas vantagens da performance desportiva é irrelevante, pois esta é uma questão de direitos. Não nos devíamos preocupar com o facto de as pessoas trans ganharem as Olimpíadas. Devíamos em vez disso preocupar-nos sobre a igualdade nos seus direitos humanos."

Esta é uma questão que continua a causar debate no meio desportivo. Em 2016, o Comité Olímpico, decidiu que os atletas transgénero teriam de ter feito terapia e pelo menos dois anos de terapia hormonal para poderem competir. Mas no Canadá, o país de origem de Rachel McKinnon, desde a mudança dos regulamentos no mês passado, os estudantes trans podem agora competir em equipas que são consistentes com a sua identidade de género, mesmo que não tenham feito terapia hormonal.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?