Podem as alterações da retina prever o aparecimento do Alzheimer?

Os cientistas da Universidade de Duke garantem que, no futuro, um exame oftalmológico pode detetar o Alzheimer. Num estudo à retina, verificaram que quem sofre da doença tem menos vasos sanguíneos no olho.

O estudo é de uma equipa de investigadores da Duke Eye Center, o pólo da Universidade Duke em Kunshan, na China. Estes analisaram as alterações microvasculares e neurodegenerativas da retina em doentes de Alzheimer e pessoas saudáveis e encontraram diferenças significativas.

Os cientistas recorreram a uma tecnologia não evasiva chamadas angiotomografia de coerência óptica (OCTA). e, que através da análise das ondas de luz que revela o fluxo de sangue em cada camada da retina, permite comparar as alterações dos olhos, descreve o jornal espanhol ABC.

As linhas da investigação foram publicadas na revista Ophtalmologia Retina

Os investigadores estudaram mais de 200 indivíduos: 39 pacientes com Alzheimer; 37 pessoas com uma alteração cognitiva suave e 133 pessoas saudáveis.

O grupo dos doentes de Alzheimer tinha perdas de pequenos vasos sanguíneos na retina e uma das camadas era mais fina em comparação com pessoas com deficiência cognitiva leve e pessoas saudáveis.

"Em pessoas com cérebros saudáveis, os vasos sanguíneos microscópicos formam uma rede densa na parte de trás do olho, dentro da retina, o que foi encontrado nos 133 participantes do estudo. Nos olhos dos doentes com Alzheimer, essa rede era menos densa e até escassa em alguns locais, isto depois de controlarmos fatores como idade, sexo e nível de educação", explicou Sharon Fekrat, principal autor do estudo.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.