O mundo de olhos no céu: imagens do eclipse da Super Lua Vermelha

Fenómeno acabou já de manhã, às 7.48, quando a Lua deixou por completo a sombra da Terra.

Foi uma noite - ou já dia, noutras partes do globo - que fez as delícias dos astrónomos, profissionais ou amadores. É que houve uma rara conjugação de três fenómenos lunares que criaram as condições perfeitas para fotografias extraordinárias: à entrada do satélite natural da Terra na fase de Lua Cheia, juntou-se a sua passagem pela zona mais escura da sombra terrestre e a chegada da Lua ao perigeu, o ponto mais próximo que atinge no seu percurso à volta da Terra. Tivemos pois uma Super Lua (14% maior e 30% mais brilhante) Vermelha, com um eclipse.

A Lua começou a entrar na penumbra da Terra às 2.35 desta madrugada (hora de Lisboa), mas só entre as 4.41 e as 5.44 ficou completamente na sombra terrestre. O máximo do eclipse deu-se às 5.12 e, passados 4 minutos, pelas 5.16 ocorreu o instante da fase de Lua Cheia.

No total, foram pouco mais de cinco horas de um fenómeno que acabou já de manhã, às 7.48, quando a Lua ficou completamente fora da sombra da Terra. Para quem não conseguiu seguir o fenómeno, ficam os registos de vários pontos do mundo, em especial na Europa e Américas.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...