Nave japonesa perto de asteroide para estudar a origem da vida

A nave espacial japonesa Hayabusa2 chegou hoje às proximidades de um asteroide, depois de uma viagem de 3,2 mil milhões de quilómetros, para recolher informações sobre o nascimento do sistema solar e a origem da vida.

Após mais de três anos em viagem, a nave Hayabusa2 estabilizou-se às 09:35 locais (01:35 em Lisboa), a 20 quilómetros do asteroide Ryugu, localizado a cerca de 280 milhões de quilómetros da Terra, anunciou a agência espacial japonesa (JAXA).

À semelhança da primeira missão Hayabusa, realizada no asteroide Itokawa, o objetivo é analisar a poeira do corpo celeste rochoso - que apresenta carbono e água - e tentar compreender que materiais orgânicos estavam presentes na origem do sistema solar.

De acordo com a agência nipónica, esta análise servirá "para melhor compreender a formação do sistema solar e o surgimento da vida na Terra".

O regresso desta nave espacial à Terra está previsto para 2020.

Hayabusa2 deixará no Ryugu um robô denominado Minerva2 e um analisador autónomo denominado Mascot, concebido pelo centro francês de estudos espaciais (CNES) e o seu homólogo alemão (DLR).

Porque é que é importante

Os cientistas estudam os asteroides para obterem informações sobre a origem e evolução do sistema solar. Os asteroides são, basicamente, restos do "material usado na construção" do sistema solar há 4,6 mil milhões de anos, explica a BBC.

Os cientistas pensam que os asteroides podem conter compostos químicos que terão sido importantes para a formação da vida na Terra. Contêm água, compostos orgânicos ricos em carbono e metais preciosos

Um diamante, um dumpling ou mesmo um pião

Inicialmente os cientistas estavam convencidos que Ryugu teria a forma de um dumpling, mas depois de novos estudos parecem agora mais inclinados para dizer que o asteroide terá a forma de um diamante. Mas as opiniões divergem e, segundo a BBC, outros peritos acham que poderá parecer-se com um pião.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.