NASA mostra como um buraco negro engoliu uma estrela com o tamanho do Sol

A descoberta inédita, registada na revista científica The Astrophysical Journal, só costuma acontecer a cada dez mil anos.

O telescópio espacial da NASA Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) captou o momento e, ainda assim, foi difícil para os cientistas acreditarem no que estavam a presenciar. A agência espacial anunciou ter visto um buraco negro a absorver uma estrela do tamanho do Sol. Segundo os especialistas, o fenómeno é tão raro que só costuma acontecer a cada dez mil anos.

Desde que foi lançado, em abril de 2018, que o TESS tenta identificar exoplanetas (planetas que orbitem uma estrela que não seja o Sol e, por isso, pertencem a um sistema planetário diferente), deixando-o atento a todas as estrelas que circulam no sistema. E só por isso foi possível observar este fenómeno, designado pela NASA de "perturbações da maré" (ou TDE) em que as forças gravitacionais de um buraco negro aprisionam a gravidade desta estrela, que imediatamente se desfaz.

De acordo com a CNN, este buraco negro pertence à constelação Volans, a 375 milhões de anos-luz da Terra, e pesa cerca de seis milhões de vezes mais que a massa do Sol e a estrela tinha um tamanho semelhante ao do Sol. A NASA divulgou um vídeo no qual reconstrói o momento, agora apelidado de ASASSN-19bt.

A descoberta foi publicada na revista científica The Astrophysical Journal e surpreendeu vários entusiastas da ciência espacial. Entre eles, Chris Kochanek, professor de astronomia em Ohio, que tenta explicar a complexidade: "Imagina que estás de pé, em cima de um arranha-céus, no centro da cidade, deitas um berlinde para um buraco e tenta fazê-lo descer através de uma tampa de saneamento. É mais difícil que isto."

Um dos envolvidos na descoberta, o astrónomo Thomas Holoien, disse à CNN que este era, sobretudo, um momento inédito. "Tivemos a oportunidade de ver exatamente quando começou a brilhar. Isto nunca tinha acontecido antes", explicou. Porque quando um fenómeno destes ocorre e a estrela engolida pelo buraco negro gera um gás luminoso, normalmente só é possível visionar o evento muito antes deste brilho ocorrer. Desta vez, "foi encontrado apenas alguns dias depois de começar a brilhar mais intensamente".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG