Ministério da Educação chama sindicatos para reunião na sexta-feira

Proposta associada à convocatória da reunião mantém os dois anos, nove meses e dois dias que o governo já tinha anunciado

O Ministério da Educação convocou hoje os sindicatos de professores para a negociação suplementar da contagem do tempo de serviço congelado. A reunião foi agendada para sexta-feira, às 16.00. No entanto, a proposta associada a esta convocatória mantém o que o governo já se dispusera a dar aos professores: a devolução de dois anos, nove meses e dois dias, pelo que os sindicatos avisam que não partirão com muitas expectativas para a negociação.

"Recebemos a convocatória que acrescenta um projeto de decreto-lei, nos termos que já tinha sido anunciados pelo senhor ministro da Educação [Tiago Brandão Rodrigues] no final da última reunião sobre esta matéria", confirmou ao DN João Dias da Silva, da Federação Nacional de Educação, considerando que o a convocatória representa "a manutenção do Ministério da Educação numa lógica de incumprimento daquilo que o Orçamento de Estado determina".

Em comunicado, ainda que assinalando o facto de "finalmente" o Ministério ter agendado a reunião pedida há bastante tempo pelas organizações sindicais, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) considerou também que a nova proposta da tutela continua a não respeitar a lei e uma recomendação aprovada pela Assembleia da República. Esta organização sindical promete também levar uma proposta para a negociação onde, por sua vez, insistirá nos nove anos, quatro meses e dois dias de serviço reclamados pelos docentes.

Para esta quinta-feira está já agendada uma conferência de imprensa na qual a Fenprof promete "uma primeira reação muito crítica à proposta agora formalizada pelo governo".

Recorde-se que os sindicatos agendaram para a próxima semana uma greve de quatro dias, por regiões, que entre outros locais abrange a Grande Lisboa na segunda-feira e a zona Norte, incluindo o Grande Porto, na quinta-feira. Já para o dia 5 de outubro, feriado nacional e Dia Internacional do professor, está agendada uma manifestação nacional em Lisboa.

Exclusivos