Mais de 230 mil crianças sem programa de fruta e legumes gratuito nas escolas

Portugal só usou 1,7 milhões dos 5,5 milhões atribuídos pelo programa europeu que pretende criar bons hábitos alimentares e combater a obesidade infantil. A iniciativa vai ser alargada ao pré-escolar

Mais de 230 mil crianças ficaram de fora do programa europeu de distribuição de fruta, legumes e leite nas escolas no ano passado - Portugal usou apenas 1,7 milhões dos 5,5 milhões atribuídos pela União Europeia.

A diretora do Programa Nacional para a Alimentação Saudável da Direção-geral da Saúde (DGS), Maria João Gregório, reconheceu que o programa financiado pela União Europeia de distribuição de fruta e legumes "não está a ter o sucesso desejado", mas anunciou à Lusa que a distribuição de frutas e legumes nos lanches vai ser alargado ao pré-escolar.

Duas vezes por semana, o lanche de todas as crianças do 1.º ciclo deveria incluir uma peça de fruta ou um legume, segundo o programa europeu destinado a criar bons hábitos alimentares e a combater a obesidade infantil. No entanto, no ano passado, apenas 104 506 alunos beneficiaram desse projeto, segundo os dados preliminares do relatório anual divulgado agora pela União Europeia, que revelam que 230 938 crianças (69%) ficaram de fora.

O programa de educação alimentar deveria ter chegado aos 335 444 alunos do 1.º ciclo, indica o relatório, que alerta para o facto de os jovens portugueses estarem entre os europeus com maiores problemas de obesidade e de consumirem legumes e fruta muito abaixo do recomendado pelas organizações de saúde.

Ao contrário do projeto da fruta, a distribuição diária de pacotes de leite abrange a grande maioria dos alunos: no ano passado, receberam pacotes de leite 119 464 crianças do pré-escolar (97,2%) e 332 407 do 1.º ciclo (99%). Ou seja, ficaram de fora 6 381 crianças.

3,8 milhões desperdiçados

A União Europeia destinou, no ano passado, 5,5 milhões de euros para estes dois projetos, mas só foram usados 1,7 milhões, segundo o relatório anual divulgado esta semana. Para o próximo ano, anunciou a UE, a verba mantém-se.

Contas feitas, a União Europeia só atribuiu cerca de 657 mil euros para o programa da fruta e legumes e 1 045 mil euros para o leite. Resultado: os restantes 3,8 milhões do programa criado para incentivar as crianças a comer mais frutas e hortícolas nunca chegaram a Portugal.

Isto acontece porque a maioria dos municípios não tem aderido ao programa, que é uma parceria entre os ministérios da Agricultura, Educação e Saúde. Os gabinetes destes dois ministérios sublinharam que a operacionalização do projeto cabe ao Ministério da Agricultura que não respondeu às questões da Lusa.

Maria João Gregório reconheceu que a iniciativa não "está a ter o sucesso desejado", apesar de "estar bem desenhado" e ser "importantíssimo, já que permite a distribuição de alimentos com elevado valor nutricional".

Também os diretores escolares lamentam que as autarquias estejam a desperdiçar estes fundos europeus.

"É um programa muito importante e ainda por cima é gratuito para as autarquias e para os cofres do Estado. É pena ver essas verbas irem para trás", lamentou o presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, em declarações à Lusa.

Para tentar aumentar a participação das autarquias, a Direção-Geral da Saúde vai trabalhar no sentido de "aumentar a divulgação do programa e motivar as escolas e autarquias a participar mais", acrescentou a diretora da DGS.

Projeto-piloto em Gaia

Maria João Gregório anunciou ainda que o programa será alargado às crianças do pré-escolar, à semelhança do que já acontece numa escola de Vila Nova de Gaia.

Na Escola Básica das Devesas, a fruta é oferecida a todas as crianças, desde que entram no pré-escolar até que terminam o 4.º ano de escolaridade. Ali, os lanches das quartas e quintas-feiras das 317 crianças incluem sempre uma peça de fruta, explicou à Lusa a professora Arminda Santos, coordenadora da escola.

"Antes os miúdos traziam muitas vezes bolos e croissants, mas agora já há muitos que trazem fruta", sublinhou, explicando que a autarquia "apelou aos encarregados de educação para que enviassem fruta nos outros dias da semana" e o pedido tem sido levado a sério por muitos pais.

No próximo ano, a DGS vai avaliar o impacto do programa da fruta, legumes e leite, revelou à Lusa a diretora da DGS, sublinhando que a distribuição do leite tem sido um sucesso.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.