Lua liliputiana descoberta na órbita de Neptuno já tem nome: é a Hipocampo

É tão pequena que passou despercebida durante quase três décadas. Os astrónomos que a descobriram, em 2013, publicam agora o primeiro retrato da pequeníssima lua, que tem apenas 34 km de diâmetro

Esteve lá sempre, chegou a ser fotografada pela sonda Voyager 2, em 1989, quando ela passou lá perto, a caminho dos confins do sistema solar, e está até em imagens de 2004, captadas pelo telescópio espacial Hubble, mas ninguém deu por ela. Até que a equipa do astrónomo Mark Showalter, do Instituto SETI, nos Estados Unidos, finalmente a viu, usando uma combinação de novas técnicas, em 2013. A descoberta tornou-se então oficial: Neptuno tem 14 luas, e não 13. Agora também já tem nome. Chama-se Hipocampo e a mesma equipa mostra o seu primeiro retrato científico

A Hipocampo, como os astrónomos lhe chamaram, numa alusão ao pequeno ser dos mares que é o cavalo-marinho, é a mais pequena das 14 luas de Neptuno e, sabe-se agora, tem apenas 34 km de diâmetro.

É isso que mostram as medições feitas pelo grupo de Mark Showalter, que hoje publica os novos dados sobre Hipocampo num artigo, na revista Nature.

Ali, os cientistas afirmam também que a liliputiana lua pode ser um pedaço da sua irmã maior Proteus, a lua de Neptuno que fica mais distante do planeta, mas cuja órbita é contígua à de Hipocampo.

"Os nossos dados sugerem que Hipocampo é provavelmente um antigo fragmento de Proteus, o que reforça a hipótese de que o sistema neptuniano foi moldado por inúmeros impactos", escrevem os autores, na Nature.

Para poder estudar Hipocampo, que se desloca a grande velocidade em torno do planeta - esse foi, de resto, um dos motivos por que ela passou despercebida durante quase três décadas -, os cientistas montaram um programa de observações sistemáticas, usando a câmara de alta resolução do telescópio Hubble.

Foi isso que permitiu verificar que Proteus tem uma cratera de grandes dimensões, resultado de um impacto de um cometa no passado distante. Observando essa cratera e a massa dali que terá sido ejetada, em consequência do impacto, os astrónomos calculam que Hipocampo, dada a sua dimensão, poder ser um dos pedaços de Proteus que o cometa lhe arrancou.

Os nossos dados sugerem que Hipocampo é provavelmente um antigo fragmento de Proteus, o que reforça a hipótese de que o sistema neptuniano foi moldado por inúmeros impactos

A distância a que sua órbita se encontra da própria órbita de Proteus, apenas 12 mil quilómetros, reforça essa mesma hipótese, afirmam os cientistas.

"A primeira coisa de que nos apercebemos foi que não estávamos à espera de encontrar uma lua tão pequena logo ao lado da maior lua de Neptuno", conta Mark Showalter, sublinhando que, quando se identificaram a imensa cratera em Proteus, não pensaram que "a história ia ter continuação. Afinal teve. É a Hipocampo e só graças às imagens de alta resolução do Hubble, os cientistas conseguiram juntar os pontos e ter um retrato mais completo do sistema neptuniano.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?