Voltar sempre, para se fazer o que se gosta

Um recanto pode querer dizer e ser tanta coisa. Para mim, é o sítio onde se volta sempre, porque se gosta mas sobretudo porque se pode fazer muito do que se gosta.

O meu recanto está na minha cidade, Lisboa, no meio de um espaço desenhado em função da beleza da vegetação e que resultou numa floresta de labirintos, aves, répteis e outros tipos de residentes. Onde tantas vezes volto, sozinha ou acompanhada. Para passear, ler, estudar, aprender, conversar, ver um espetáculo, comer ou, simplesmente, estar. É o anfiteatro ao ar livre do Jardim da Gulbenkian.

Gosto particularmente das arenas de degraus a céu aberto, esteja-se onde estiver, no primeiro degrau ou no último, tem-se uma visão de 360 graus, tudo se vê.

Foram adaptados dos teatros gregos pelos romanos e têm o Coliseu de Roma como expressão mais célebre. Era onde Roma Antiga assistia aos combates de gladiadores e de animais selvagens. O anfiteatro ao ar livre da Gulbenkian foi plantado num espaço projetado pelos arquitetos paisagistas Ribeiro Telles e Viana Barreto.

Os primeiros encontros com esta arena foram em miúda, com a escola. Mais tarde com os amigos. Achei depois que seria um bom sítio para me preparar para os exames do ano propedêutico (que viria a ser substituído pelo 12.º ano). Não resultou, impossível concentrar-me com tanta coisa a acontecer à volta. Rendi-me ao que de tanto acontece à volta,

Observar a flora e a vegetação; pousar num banco ou na relva, assistir aos espetáculos; ver exposições; acompanhar conferências; almoçar no interior ou na esplanada, à carta ou o menu de saladas; saborear um gelado.

Mas o que recordo com maior felicidade são as visitas em família e a participação dos meus filhos nos ateliês artísticos da Fundação Calouste Gulbenkian, gratuitos, isso sim, um verdadeiro serviço público. Em alguns, deixavam participar os pais e escusado será dizer quem se divertia mais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.