Não foi desta. Sonda israelita falha aterragem e despenha-se na Lua

Esta noite, Israel poderia ter-se tornado o quarto país a aterrar na Lua, mas missão saiu falhada. Projeto foi financiado por fundos privados e no quadro de uma competição internacional patrocinada pela multinacional Google.

Após quase dois meses de viagem desde a descolagem e conforme o previsto, a sonda israelita Beresheet (que significa "génese" em hebreu) tentava aterrar na Lua esta noite, tornando Israel o quarto país a fazer uma alunagem. Mas a poucos segundos da prevista aterragem, perderam o sinal de comunicação da sonda, que se despenhou na superfície lunar. "Não conseguimos, mas definitivamente tentámos", disse Morris Kahn, presidente da Space IL, responsável pela construção da sonda, juntamente com a empresa Israel Aerospace Industries. Apesar de a missão ter falhado, Israel já faz oficialmente parte do grupo de países que entraram na órbita da Lua.

Esta missão é a primeira à Lua que está financiada por fundos privados. O projeto custou cerca de 88 milhões de euros e foi iniciado no quadro de uma competição internacional patrocinada pela multinacional Google, que desafiava cientistas e empreendedores a colocarem um veículo robotizado em solo lunar com orçamentos mais baixos. Até agora, apenas as agências espaciais governamentais da antiga União Soviética, dos EUA e da China conseguiram ser bem sucedidas nas aterragens.

Em declarações à BBC, a presidente da organização SpaceIL, disse que "a aterragem será extremamente desafiante". "Mas temos bons engenheiros e a sonda respondeu bem às nossas instruções nos últimos dois meses... Estou bastante confiante, mas um pouco nervoso", rematou.

A missão saiu falhada, mas o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, garante que Israel voltará a tentar. A missão foi transmitida em direto pela SpaceIL.

Antes de Israel, já a China tentava desvendar o desconhecido. Em janeiro, pela primeira vez, uma sonda chinesa aterrou na Lua para estudar o lado oculto da Lua. A sonda Chang'e 4 foi lançada do Centro Espacial de Xichang, a sul do país.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.