Vai organizar uma festa ou um festival? Plante uma árvore

"Uma festa pela floresta" é o nome do desafio lançado pela Quercus aos promotores de festivais e outras festividades da região de Aveiro

Um festival implica centenas de deslocações entre os membros da organização, os artistas e o público. Para compensar a poluição provocada por essas viagens, a Quercus Aveiro desafia os promotores dos festivais do distrito a plantarem árvores autóctones, permitindo a recuperação de áreas ardidas na região. E estendem o desafio aos promotores de eventos de menor dimensão.

"Grandes ou pequenos, de música e de outras artes, os festivais devem fazer da sustentabilidade e de um comportamento ecologicamente correto as suas bandeiras, de modo a promover uma maior consciência ambiental junto do público", lê-se na nota publicada nas redes sociais.

Contactado pelo DN, Raul Silva, responsável pela delegação de Aveiro da Quercus, lembra que "o distrito de Aveiro foi um dos mais afetados pelos incêndios dos últimos tempos" e tem a decorrer o projeto de reflorestação de Cabeço Santo, pelo que fazia sentido que este projeto-piloto fosse realizado na região.

"Decidimos, de uma forma simples, apelar aos promotores dos festivais e das festas de menor dimensão para que participem na iniciativa como forma de compensar algum do impacto ambiental que estes eventos têm", acrescentou.

Raul Silva diz que já existem muitos festivais com preocupações ambientais, nomeadamente de separação de resíduos, "mas aqui a ideia é compensar a região através da floresta. Uma forma diferente de contribuir".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.