Vai organizar uma festa ou um festival? Plante uma árvore

"Uma festa pela floresta" é o nome do desafio lançado pela Quercus aos promotores de festivais e outras festividades da região de Aveiro

Um festival implica centenas de deslocações entre os membros da organização, os artistas e o público. Para compensar a poluição provocada por essas viagens, a Quercus Aveiro desafia os promotores dos festivais do distrito a plantarem árvores autóctones, permitindo a recuperação de áreas ardidas na região. E estendem o desafio aos promotores de eventos de menor dimensão.

"Grandes ou pequenos, de música e de outras artes, os festivais devem fazer da sustentabilidade e de um comportamento ecologicamente correto as suas bandeiras, de modo a promover uma maior consciência ambiental junto do público", lê-se na nota publicada nas redes sociais.

Contactado pelo DN, Raul Silva, responsável pela delegação de Aveiro da Quercus, lembra que "o distrito de Aveiro foi um dos mais afetados pelos incêndios dos últimos tempos" e tem a decorrer o projeto de reflorestação de Cabeço Santo, pelo que fazia sentido que este projeto-piloto fosse realizado na região.

"Decidimos, de uma forma simples, apelar aos promotores dos festivais e das festas de menor dimensão para que participem na iniciativa como forma de compensar algum do impacto ambiental que estes eventos têm", acrescentou.

Raul Silva diz que já existem muitos festivais com preocupações ambientais, nomeadamente de separação de resíduos, "mas aqui a ideia é compensar a região através da floresta. Uma forma diferente de contribuir".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...