Um miradouro para ver Lisboa, onde não se ouve falar inglês

O Miradouro de Monte Agudo tem um café e uma esplanada, mas também uma pérgula onde se pode descansar, admirar a paisagem ou aproveitar para ler

O título é um exagero, mas apenas porque há estrangeiros que vivem em Lisboa e já conhecem este recanto escondido da capital. O MIradouro de Monte Agudo, nos Anjos, é uma das varandas mais secretas da cidade, por isso, são maioritariamente os locais que aproveitam para descansar os olhos sobre Lisboa a partir daqui.

Escondido entre o Bairro das Colónias e a Escola Secundária Dona Luísa de Gusmão, o miradouro natural foi transformado em miradouro-parque nos anos de 1950. Sofreu uma remodelação em 2009 e continua a ser um excelente local para aproveitar para descansar quer seja durante o dia ou mesmo à noite, para vista noturna da cidade.

Protegido por um parque florestal mantém a frescura mesmo nos dias mais quentes. Além disso, a esplanada do café apela a que se demore por esta colina. É por isso o local ideal para fugir do movimento e do ruído da cidade e mergulhar nas páginas de um livro. E quando se está cansado é só olhar em volta, para a vista que vai do Tejo até às Avenidas Novas, e recuperar o fôlego.

Por ser quase secreto não costumas ter mais do que meia dúzia de clientes em simultâneo. Para o secretismo contribui sem dúvida o facto de até agora, pelo menos, ter consigo manter-se fora dos roteiros turísticos. Também as entradas não são óbvias: a mas visível faz-se pela rua Heliodoro Salgado, a mais discreta pelas escadas na rua Ilha do Príncipe.

Monte Agudo mantém-se assim o local ideal para se ser turista, quando se está cansado dos turistas que têm invadido a capital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?