Um miradouro para ver Lisboa, onde não se ouve falar inglês

O Miradouro de Monte Agudo tem um café e uma esplanada, mas também uma pérgula onde se pode descansar, admirar a paisagem ou aproveitar para ler

O título é um exagero, mas apenas porque há estrangeiros que vivem em Lisboa e já conhecem este recanto escondido da capital. O MIradouro de Monte Agudo, nos Anjos, é uma das varandas mais secretas da cidade, por isso, são maioritariamente os locais que aproveitam para descansar os olhos sobre Lisboa a partir daqui.

Escondido entre o Bairro das Colónias e a Escola Secundária Dona Luísa de Gusmão, o miradouro natural foi transformado em miradouro-parque nos anos de 1950. Sofreu uma remodelação em 2009 e continua a ser um excelente local para aproveitar para descansar quer seja durante o dia ou mesmo à noite, para vista noturna da cidade.

Protegido por um parque florestal mantém a frescura mesmo nos dias mais quentes. Além disso, a esplanada do café apela a que se demore por esta colina. É por isso o local ideal para fugir do movimento e do ruído da cidade e mergulhar nas páginas de um livro. E quando se está cansado é só olhar em volta, para a vista que vai do Tejo até às Avenidas Novas, e recuperar o fôlego.

Por ser quase secreto não costumas ter mais do que meia dúzia de clientes em simultâneo. Para o secretismo contribui sem dúvida o facto de até agora, pelo menos, ter consigo manter-se fora dos roteiros turísticos. Também as entradas não são óbvias: a mas visível faz-se pela rua Heliodoro Salgado, a mais discreta pelas escadas na rua Ilha do Príncipe.

Monte Agudo mantém-se assim o local ideal para se ser turista, quando se está cansado dos turistas que têm invadido a capital.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.