Um milhão de vacinas da gripe já foram dadas nos centros de saúde

A Direção Geral da Saúde revela adesão registada desde 15 de outubro, data em que as vacinas estão disponíveis

Cerca de um milhão de doses de vacinas da gripe foram já administradas gratuitamente nos centros de saúde, segundo um balanço divulgado esta terça-feira pela Direção Geral da Saúde (DGS).

A vacina contra a gripe está disponível e a ser administrada desde 15 de outubro, sendo gratuita e dispensando receita médica para pessoas a partir dos 65 anos e algumas pessoas com patologias específicas, como doença pulmonar obstrutiva crónica.

De acordo com o comunicado da DGS, os centros de saúde já administraram um milhão de doses, sendo que o Serviço Nacional de Saúde tinha 1,4 milhões de doses de vacinas este ano.

Além de administradas de modo gratuito nos centros de saúde a grupos específicos, as vacinas são também dadas gratuitamente a pessoas institucionalizadas, como a idosos em lares.

A gripe é uma doença contagiosa que infeta todos os anos cerca de 10% dos adultos e um terço das crianças e, geralmente, apresenta uma evolução benigna. Contudo, pode trazer complicações associadas, tais como a pneumonia e a descompensação de doenças subjacentes, sobretudo em pessoas com doenças crónicas ou mais de 65 anos.

A DGS recomenda a vacinação às pessoas com idade igual ou superior a 65 anos e às pessoas com algumas doenças crónicas, grávidas, profissionais de saúde.

Para quem não está nos grupos prioritários e com acesso à vacina gratuita, a vacina pode ser comprada nas farmácias, mediante receita médica e com uma comparticipação de 37%.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.