Um iPad explodiu e uma loja da Apple teve de ser evacuada

Três funcionários da loja da Apple em Amesterdão tiveram de receber assistência médica por inalação de fumo.

Um belo susto, foi o que apanharam ontem os clientes e funcionários que estavam no número 25 da Leidseplei, uma das mais centrais praças de Amesterdão. Ali funciona uma das três lojas oficiais da Apple na Holanda. A explosão da bateria de um iPad obrigou os bombeiros a evacuarem o espaço e prestarem assistência a médica a três empregados do estabelecimento, que se queixaram de dificuldades respiratórias.

As autoridades levaram a bateria do iPad numa caixa de areia e vão agora averiguar as causas. Mas estas não são boas notícias para a Apple, que vê pela terceira vez este ano baterias dos seus produtos explodirem nas lojas oficiais da marca.

Em janeiro, duas baterias de iPhone também explodiram, uma na representação oficial de Zurique, na Suíça, outra na de Valência, em Espanha. No primeiro caso, os bombeiros também foram chamados ao local. No segundo, os funcionários resolveram o problema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.