Um iPad explodiu e uma loja da Apple teve de ser evacuada

Três funcionários da loja da Apple em Amesterdão tiveram de receber assistência médica por inalação de fumo.

Um belo susto, foi o que apanharam ontem os clientes e funcionários que estavam no número 25 da Leidseplei, uma das mais centrais praças de Amesterdão. Ali funciona uma das três lojas oficiais da Apple na Holanda. A explosão da bateria de um iPad obrigou os bombeiros a evacuarem o espaço e prestarem assistência a médica a três empregados do estabelecimento, que se queixaram de dificuldades respiratórias.

As autoridades levaram a bateria do iPad numa caixa de areia e vão agora averiguar as causas. Mas estas não são boas notícias para a Apple, que vê pela terceira vez este ano baterias dos seus produtos explodirem nas lojas oficiais da marca.

Em janeiro, duas baterias de iPhone também explodiram, uma na representação oficial de Zurique, na Suíça, outra na de Valência, em Espanha. No primeiro caso, os bombeiros também foram chamados ao local. No segundo, os funcionários resolveram o problema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.