Um Ig Nobel para Portugal: a saliva é boa para limpar superfícies sujas

O estudo "Saliva humana como agente de limpeza para superfícies sujas" valeu o prémio da Química para investigadores portugueses.

A prática muito antiga de cuspir para limpar determinadas superfícies tem finalmente um respaldo científico, que valeu a três investigadores portugueses o prémio Ig Nobel da Química.

Num artigo publicado no Journal Studies in Conservation, Paula M. S. Romão, Adília M. Alarcão e César A. N. Viana analisaram a "saliva humana como agente de limpeza para superfícies sujas". Nesse texto, os três cientistas portugueses defendem, de acordo com o resumo do estudo, que "o uso de saliva humana para limpar superfícies sujas tem sido uma prática intuitiva para muitas gerações".

"Os autores", adianta o resumo, "estabeleceram as bases científicas para essa prática por meio de testes qualitativos e técnicas cromatográficas". Para o efeito, "o alfa-amilase [α-amylasewas] foi o constituinte principal responsável pelo poder de limpeza da saliva e, portanto, as preparações amilásicas obtidas a partir do pão ou de microrganismos foram testadas como substitutos da saliva."

Os prémios Ig Nobel são uma paródia aos verdadeiros prémios Nobel da Academia Sueca e destinam-se a celebrar o incomum, a honrar a imaginação e a estimular o interesse das pessoas pela ciência, medicina e tecnologia. Estes prémios alternativos são atribuídos anualmente pelos Annals of Improbable Research e entregues na Universidade de Harvard.

Na Medicina, foi premiado um estudo americano que procurou demonstrar que andar em alguns tipos de montanha-russa é uma maneira eficaz de remover pedras nos rins e, no campo da Nutrição, outro estudo provou que a dieta canibal não é a melhor opção em termos calóricos.

Outro premiado foi o gastroenterologista japonês Akira Horiuchi que ganhou o prémio de Educação Médica para uma experiência na qual o próprio revê o conforto e a eficiência da autocolonoscopia em posição sentada, realizando uma colonoscopia em si próprio enquanto fica sentado. Horiuchi relatou apenas um "desconforto leve".

A lista completa dos premiados foi disponibilizada pela revista Science. Coisa séria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.