Tudder. Uma app inspirada no Tinder, mas para vacas

Empresa já reuniu mais de três milhões de euros de investimento. Estão inscritos animais de mais de 42 mil quintas no Reino Unido.

O mercado da aplicações para smartphones não para de surpreender. Inspirada na app de encontros Tinder, a empresa britânica de agricultura Hectare lançou o Tudder, uma ferramenta equivalente, mas destinada a vacas e touros. O objetivo, dizem os mentores, é ajudar os agricultores a encontrarem o par perfeito para o seu gado.

Segundo a BBC, a app reúne os dados de animais de 42 mil quintas no Reino Unido, que têm acesso a fotografias de touros e vacas, e podem deslizar para a direita para mostrar interesse nos animais. Desta forma, podem depois entrar em contacto com o proprietário dos bovinos, apresentando uma oferta. Assim, aceleram o processo, que muitas vezes envolve o transporte dos animais por longas distâncias para fins de reprodução.

De acordo com a Hectare Agritech, o objetivo é reinventar o comércio agrícola e facilitar a vida dos agricultores. Uma ideia que parece estar a convencer o mercado, já que reuniu até à data mais de 3,4 milhões de euros de investimento.

"O Tudder é a nova aplicação de combinação de parceiros, que ajuda animais de todo o Reino Unido a encontrar parceiros para reprodução na busca pelo amor", lê-se na descrição da aplicação disponível na App Store da Apple.

Segundo o Bloomberg, nas descrições dos perfis pode ler-se, por exemplo, "exemplares bons e fortes criam vacas saudáveis" ou "touro jovem, calmo e bem-criado pronto para trabalhar". Entre as opções de pesquisa, os criadores podem escolher animais de produção orgânica e com pedigree.

Em 2014, a empresa criou o site Sell My Livestock, que é usado por um terço das quintas do Reino Unido para efetuar trocas de animais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.