Travesseiros ou toucinho do céu? As 7 Maravilhas vão eleger o melhor doce de Portugal

"7 Maravilhas dos doces" vai eleger a melhor doçaria tradicional com um toque de inovação em Portugal. As candidaturas para o concurso estão abertas até março e os vencedores serão anunciados em setembro.

Duarte Matos e Cláudio Dramisino estão a canalizar toda a sua atenção para a colocação de uma folha de hortelã em cima de miniaturas de brownie com musse de maracujá e uma framboesa. É uma tarefa meticulosa, por isso socorrem-se de pinças. São ambos alunos finalistas do curso de pastelaria da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa. Pediram-lhes que criassem um doce simples, pequeno e que se comesse facilmente para servir na apresentação da 8.ª edição do concurso "7 Maravilhas dos Doces", que aconteceu esta terça-feira na escola onde Duarte e Cláudio estudam.

"Em Portugal a pastelaria está a crescer muito e com a ajuda do programa vai bombar", diz Cláudio, de 19 anos. O estudante veio de Portimão, no Algarve, para estudar doçaria; quer ser pasteleiro tal como o pai e a mãe.

Duarte pega na deixa do colega e acrescenta: "Esta é uma forma de mostrar mais os pasteleiros que muitas vezes são escondidos atrás dos chefes".

"A escola é o local por excelência onde podemos prever o futuro e as nossas escolas de hotelaria e de pastelaria têm essa missão: garantir que os nossos valores, a nossa tradição, o saber de tantas pessoas que guardam receitas ancestrais se perpetuam", disse Ana Paula Pais, diretora coordenadora de Formação do Turismo e Portugal, durante a apresentação do concurso. "Faltam profissionais qualificados [na pastelaria] e nessa perspetiva este concurso servirá também para valorizar esta profissão".

A "dignificação das profissões relacionadas com a doçaria" foi um dos critérios para a seleção do tema para o concurso em 2019, indicou o Presidente das 7 Maravilhas, Luís Segadães. Mas não só. "Este tema é dos melhores, porque não há praticamente zona do país, pequena ou grande, cidade ou aldeia, que não tenha doçaria. E é uma coisa que é motivo de orgulho. O que vimos de outros anos é que toda a gente nos recebe com um docinho que é feito naquele sítio".

A ideia é que os doces a concurso tenham uma forte componente do local de onde vieram. Isto deve ser feito, por exemplo, através da utilização de ingredientes regionais, explica o mentor da iniciativa.

As candidaturas às "7 Maravilhas dos Doces" estão abertas até março e, à semelhança do que aconteceu nas edições anteriores, é o público quem irá eleger os melhores doces de Portugal. Mas antes um painel de especialistas fará uma pré-seleção das candidaturas, reduzindo a lista a 140 doces de 20 regiões portuguesas (18 distritos de Portugal continental, Açores e Madeira). Seguem-se 20 emissões televisivas transmitidas pela RTP entre julho e agosto e os vencedores serão anunciados a 7 de setembro.

"Este programa é um serviço público, porque vai levar a RTP a todos os cantos do país", comenta Miguel Freitas, secretário de Estados das Florestas e do Desenvolvimento Rural, que olha para este concurso como "uma receita de sucesso".

Para além da preocupação com a cobertura de todo o território nacional, a apresentadora de televisão Catarina Furtado, uma das embaixadoras do projeto, lança o repto: "Acho que também há outro desafio que é pôr menos açúcar nos doces". Em declarações aos jornalistas no final da apresentação, o presidente das 7 Maravilhas indicou que esta questão estará contemplada no concurso através da participação da Associação Portuguesa dos Nutricionistas, um dos membros do júri de especialistas.

Jurados e público escolherão os melhores doces das seguintes categorias:

- Doces de território;

- Bolo de pastelaria;

- Doce de colher e doce à fatia;

- Biscoitos e bolos secos;

- Doces festivos;

- Doces de fruta e mel;

- Doces de inovação.


No ano passado foram eleitas as 7 Maravilhas à Mesa. Antes o concurso nacional escolheu as 7 Maravilhas das Aldeias (2017), das Praias (2012), da Gastronomia (2011), Naturais (2010), de Portugal (2007) e de Origem Portuguesa no Mundo (2009).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.