Ter um iPhone é sinal de riqueza, diz estudo

Investigação feita nos EUA diz que, em 1992, quem usava mostarda Grey Poupon tinha rendimentos mais elevados.

Será que ter um iPhone é um sinal de riqueza? Talvez a experiência lhe diga que não, mas um estudo feito por investigadores da Universidade de Chicago e do Departamento Nacional de Pesquisas Económicas diz que quem tem um iPhone ou um iPad aufere rendimentos mais altos.

Segundo os investigadores, citados pelo Bussiness Insider, nenhuma marca era tão "preditiva" de ter salários altos quanto o iPhone em 2016. Nessa altura ainda não tinha sido lançado o iPhone X, atualmente à venda por cerca de mil euros, mas, por norma, os telefones da Apple já tendem a ser mais caros do que os smartphones das marcas concorrentes.

Os economistas avançam que 69% das pessoas que têm iPhones possuem rendimentos mais elevados. Uma tendência recente, ressalvam, já que estes equipamentos só apareceram em 2007. Em 1992, por exemplo, a mostarda Grey Poupon era o melhor indicador de riqueza das famílias nos EUA.

Tal como os produtos da Apple, os investigadores consideram que ter um Android ou um Verizon também são fortes indicadores de que a pessoa é bem-sucedida financeiramente.

Na base da pesquisa estão dados da Mediamark Research Intelligence e uma amostra de 6394 pessoas, às quais foram feitas duas entrevistas anuais. Foram analisados diferentes grupos, como ricos e pobres, e as suas preferências ao longo dos anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.