Ter um iPhone é sinal de riqueza, diz estudo

Investigação feita nos EUA diz que, em 1992, quem usava mostarda Grey Poupon tinha rendimentos mais elevados.

Será que ter um iPhone é um sinal de riqueza? Talvez a experiência lhe diga que não, mas um estudo feito por investigadores da Universidade de Chicago e do Departamento Nacional de Pesquisas Económicas diz que quem tem um iPhone ou um iPad aufere rendimentos mais altos.

Segundo os investigadores, citados pelo Bussiness Insider, nenhuma marca era tão "preditiva" de ter salários altos quanto o iPhone em 2016. Nessa altura ainda não tinha sido lançado o iPhone X, atualmente à venda por cerca de mil euros, mas, por norma, os telefones da Apple já tendem a ser mais caros do que os smartphones das marcas concorrentes.

Os economistas avançam que 69% das pessoas que têm iPhones possuem rendimentos mais elevados. Uma tendência recente, ressalvam, já que estes equipamentos só apareceram em 2007. Em 1992, por exemplo, a mostarda Grey Poupon era o melhor indicador de riqueza das famílias nos EUA.

Tal como os produtos da Apple, os investigadores consideram que ter um Android ou um Verizon também são fortes indicadores de que a pessoa é bem-sucedida financeiramente.

Na base da pesquisa estão dados da Mediamark Research Intelligence e uma amostra de 6394 pessoas, às quais foram feitas duas entrevistas anuais. Foram analisados diferentes grupos, como ricos e pobres, e as suas preferências ao longo dos anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...