Ter um iPhone é sinal de riqueza, diz estudo

Investigação feita nos EUA diz que, em 1992, quem usava mostarda Grey Poupon tinha rendimentos mais elevados.

Será que ter um iPhone é um sinal de riqueza? Talvez a experiência lhe diga que não, mas um estudo feito por investigadores da Universidade de Chicago e do Departamento Nacional de Pesquisas Económicas diz que quem tem um iPhone ou um iPad aufere rendimentos mais altos.

Segundo os investigadores, citados pelo Bussiness Insider, nenhuma marca era tão "preditiva" de ter salários altos quanto o iPhone em 2016. Nessa altura ainda não tinha sido lançado o iPhone X, atualmente à venda por cerca de mil euros, mas, por norma, os telefones da Apple já tendem a ser mais caros do que os smartphones das marcas concorrentes.

Os economistas avançam que 69% das pessoas que têm iPhones possuem rendimentos mais elevados. Uma tendência recente, ressalvam, já que estes equipamentos só apareceram em 2007. Em 1992, por exemplo, a mostarda Grey Poupon era o melhor indicador de riqueza das famílias nos EUA.

Tal como os produtos da Apple, os investigadores consideram que ter um Android ou um Verizon também são fortes indicadores de que a pessoa é bem-sucedida financeiramente.

Na base da pesquisa estão dados da Mediamark Research Intelligence e uma amostra de 6394 pessoas, às quais foram feitas duas entrevistas anuais. Foram analisados diferentes grupos, como ricos e pobres, e as suas preferências ao longo dos anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.