Tem milhares de amigos nas redes sociais? Não se engane, só mantém contacto com 150

Estudo de psicólogo da Universidade de Oxford demonstra que apesar da natureza hipersocial do homem que só é possível manter relação com um grupo limitado dos seus contactos

Tem Facebook? Construiu uma rede de amigos com centenas ou milhares de nomes? Pois bem, fique a saber que apesar de tantos contactos só lhe é possível estabelecer uma relação com 150 pessoas. No máximo.

Robin Dunbar, um psicólogo evolucionista da Universidade de Oxford, descobriu que, apesar da explosão das redes sociais na última década, o ser humano apenas consegue manter, no limite, relação com 150 dos seus contactos. De acordo este cientista, este limiar é imposto pelo tamanho do cérebro e pela química, assim como o tempo necessário para manter relacionamentos significativos. "O tempo que você gasta é crucial", explica Dunbar num artigo publicado na revista Scientific American.

Apesar de os humanos serem criaturas extremamente sociais, com uma natureza hipersocial, apesar de centenas contactos no Facebook e de milhares de seguidores no Twitter ou no Instagram, os cientistas defendem que nos estamos a enganar. Pois, o ser humano só consegue realmente manter cerca de 150 relacionamentos significativos a qualquer momento.

Pelo menos, é o que têm vindo a provar estudos após estudos. O agora levado a cabo por Dunbar, que já na década de 1990, tinha feito investigação sobre a rede de contactos significativos é o ser humano capaz de desenvolver, vem agora confirmar que a maioria das pessoas tem entre cinco a 15 amigos íntimos, 50 amigos em geral e 150 conhecidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.