SpaceX lança satélite do Qatar com foguetão usado. E aterra-o em segurança

O veículo espacial saiu da Florida, colocou um satélite em órbita e a sua secção principal aterrou minutos depois numa plataforma flutuante no oceano.

A SpaceX lançou esta quinta-feira um dos seus foguetões Falcon 9, às 15.46, do Centro Espacial Kennedy da NASA, na Flórida, com a missão de colocar um satélite em órbita. Aproximadamente 32 minutos depois, conta a empresa em comunicado, o satélite de comunicações Es'hail-2 já se encontrava implementado na órbita geoestacionária.

Cerca de 8,5 minutos após o lançamento, a primeira fase do foguetão aterrou com sucesso na plataforma "Off course I still love you" (é claro que ainda te amo, em português), que se encontra no oceano Atlântico, na costa da Flórida.

Este Falcon 9 era já usado, tendo sido também usado no lançamento do satélite Telstar 19, no dia 22 de julho deste ano.

O satélite Es'hail-2 foi construído pela empresa Mitsubishi Electric Corp. e será operado pela empresa Es'hailSat do Qatar. Esta equipamento fornece serviços de banda Ku e Ka, permitindo aos setores empresarias e governamentais usufruir de comunicações seguras em toda a região do Médio Oriente e do Norte de África.

Num vídeo publicado no Youtube, é possível assistir ao lançamento do foguetão da empresa do multimilionário Elon Musk.

Esta é a 31.ª aterragem da primeira fase de foguetões da Space X, que, ao reutilizar os lançadores, consegue reduzir drasticamente os custos dos voos espaciais.

A Space X fez história em 2015, quando conseguiu, pela primeira vez, lançar o seu foguetão e recuperar a primeira fase do veículo espacial, que colocou em órbita 11 satélites.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.