Sindicatos exigem recomposição de equipas de obstetrícia do Amadora-Sintra

Na sequência da ameaça de demissão dos chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia do Amadora-Sintra, os sindicatos vão pedir uma reunião à administração do hospital

Os sindicatos médicos exigem a recomposição das equipas de obstetrícia do hospital Amadora-Sintra e vão pedir uma reunião à administração do hospital, na sequência da ameaça de demissão de chefes de equipa.

Em comunicado, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul "exige a rápida resolução da recomposição das equipas de obstetrícia do Hospital Fernandes da Fonseca (três especialistas e dois internos)", como forma de "superar a diminuição da qualidade assistencial prestada nesse hospital à população da Amadora e Sintra".

"Responsabiliza-se, mais uma vez, o Ministério da Saúde -- e neste caso também o conselho de administração do Hospital Fernandes da Fonseca -- pela incompetência na gestão de recursos humanos que se tem tornado usual, não contratando atempadamente os médicos necessários para as maternidades públicas do país", refere o Sindicato.

Também o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) exige a resolução da situação e vai solicitar uma reunião com a administração do hospital, segundo disse à agência Lusa o secretário-geral, Roque da Cunha.

Os chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia do hospital Amadora-Sintra dizem que se demitem dentro de duas semanas se não forem resolvidos os problemas identificados, como as condições de assistência na urgência.

Numa carta, a que a agência Lusa teve acesso, os profissionais consideram que "as atuais condições de assistência no serviço de urgência de ginecologia e obstetrícia do hospital Fernando Fonseca ultrapassaram em várias das suas vertentes, os limites mínimos de segurança aceitáveis para o tratamento dos doentes críticos que diariamente a ele recorrem".

Roque da Cunha confirmou à agência Lusa que esta carta foi entregue esta quarta-feira à administração do hospital e adiantou que os internos desta especialidade do hospital Fernando Fonseca assinaram também uma minuta em que dão conta de que se recusarão a fazer mais do que as 200 horas de urgência por ano a que estão obrigados.

"As equipas têm ultrapassado todas as dificuldades e constrangimentos com que se têm deparado, tentando manter, com enorme esforço, nem sempre reconhecido, os padrões de qualidade e segurança históricos neste serviço de urgência", refere a carta.

Os chefes de equipa indicam ainda que não podem "aceitar as situações criadas, continuando a assumir as responsabilidades inerentes à sua função (...) face à degradação da qualidade assistencial no serviço de urgência do hospital Fernando Fonseca".

Tal como os chefes de equipa demissionários do hospital de São José, em Lisboa, estes profissionais indicam que era necessário um "plano de emergência" baseado na gestão racional de recursos financeiros e humanos, mas centrado no doente.

Na carta, indicam que há uma "degradação progressiva" do serviço pela não renovação e pela diminuição das equipas, "associada a um desaparecimento de condições essenciais" para o funcionamento correto da urgência, dando como exemplos a diminuição das salas de apoio de enfermagem. Referem ainda a ausência de contratação de médicos jovens que rejuvenesçam as equipas.

Os médicos do Fernando Fonseca afirmam que têm alertado várias vezes para estes problemas, sem que, até ao momento, haja "tomada de medidas com vista à diminuição das suas consequências".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.