Santa Maria: são 149 doentes que esperam exame para despistar cancro

Centro Hospitalar Lisboa Norte garante que vai dar resposta ainda em 2018 a biópsias para despistar cancro do colo do útero

O Hospital de Santa Maria, em Lisboa, tem neste momento 149 doentes em lista de espera para fazer os exames que permitem despistar o cancro do colo do útero, mas garante que vai dar resposta a estes casos ainda em 2018. Numa nota enviada ao DN, a propósito da notícia sobre os atrasos para colposcopias pedidas depois de rastreios positivos, o Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN) reconhece que houve uma "desregulação entre a capacidade real instalada e a procura", mas garante que o problema estará resolvido em setembro, com a contratação de mais um especialista.

O centro hospitalar que gere os hospitais de Santa Maria e Pulido Valente argumenta que entre outubro de 2017, quando arrancou o rastreio do colo do útero na região de Lisboa, e junho deste ano a capacidade de resposta até foi superior ao que era pedido e os tempos de espera nunca excederam os 30 dias. Mas em julho registou-se um aumento significativo dos pedidos de colposcopias, na sequência da entrada de outros centros de saúde. Boas notícias em termos de acesso e "ganhos de saúde pública", mas que colocaram grande pressão sobre o maior hospital do país.

Houve uma desregulação entre a capacidade real instalada e a procura

"O CHLN passou a receber os rastreios de vários Agrupamentos de Centros de Saúde, existindo uma desregulação entre a capacidade real instalada e a procura, determinada pelos pedidos efetuados diretamente pelo Médicos de Família", afirma o centro hospitalar. "De referir que a médica responsável por este programa no CHLN, ao percecionar o aumento exponencial de pedidos, solicitou a adoção de medidas adicionais, nomeadamente, o aumento do número de vagas disponíveis para estes exames. Em junho, o Conselho de Administração do CHLN insistiu no pedido de contratação de uma médica especialista para reforçar a resposta da instituição nesta área, pedido esse que já tinha sido realizado em maio".

Agora, com a colocação de mais um especialista, o hospital conta ter a partir de setembro um aumento da sua capacidade de resposta para cumprimento do programa estabelecido com a Administração Regional de Saúde (ARS). Desde outubro de 2017 até junho, foram realizadas no CHLN 4893 análises aos rastreios efetuados nos centros de saúde, e desses, 258 foram positivos, sendo 105 as colposcopias já realizadas em Santa Maria.

Santa Maria realizou 105 colposcopias no programa de rastreio

Como o DN noticiou esta quinta-feira, o hospital de Santa Maria marcou para 2019 exames para despistar a doença em mulheres que tiveram rastreios positivos. A ARS admite maior pressão sobre os hospitais, mas garante que o problema está a ser resolvido e que as mulheres já estão a ser contactadas para remarcar as colposcopias.

O rastreio ao cancro do colo do útero destina-se a mulheres entre os 25 e os 60 anos, que realizam, no centro de saúde, uma colheita para análise à presença do vírus do papiloma humano. O teste segue depois para o laboratório do hospital de referência para o programa. Posteriormente, a utente irá receber uma carta com o resultado que, se for positivo, implica a marcação de uma colposcopia (biópsia ao colo uterino).

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.