Reforço médico de verão no Algarve é insuficiente mas não compromete serviços

O presidente da Administração Regional do Algarve diz que são necessários 66 médicos, de acordo com a lista do Centro Hospitalar e Universitário do Algarve, mas que as escalas não estão a ser afetadas.

O número de médicos que se candidataram ao reforço de verão nos hospitais algarvios é "pouco significativo", mas não compromete a realização das escalas de serviço, assegurou esta sexta-feira o presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve.

Em declarações à Lusa, Paulo Morgado referiu que até agora apenas três das candidaturas ao programa de mobilidade temporária para assistência médica na região preencheram os requisitos, mas disse esperar que surjam mais candidatos até 30 de setembro, data até à qual vigora o programa.

De acordo com aquele responsável, apesar de a lista de necessidades elaborada pelo Centro Hospitalar e Universitário do Algarve (CHUA) identificar a necessidade de 66 médicos para a região, no verão, isso não significa que os hospitais não consigam assegurar as escalas.

"O objetivo era reduzir significativamente o número de horas extraordinárias e o recurso a prestadores de serviços externos. Com a adesão que temos, não conseguimos reduzir aquilo que queríamos", esclareceu Paulo Morgado, sublinhando que o despacho para captar médicos no verão "é mais um mecanismo" para reforçar a assistência.

O concurso para a contratação de médicos durante o período de verão, num modelo excecional de mobilidade temporária, abriu em junho e vigora até setembro, contemplando alojamento, ajudas de custo e dispensando o acordo do serviço de origem.

Segundo Paulo Morgado, foram recebidas várias candidaturas, mas nem sempre se adequavam às necessidades dos hospitais, ou eram de médicos com vínculo ao Serviço Nacional de saúde (SNS), tendo sido validadas três: uma de Pediatria, uma de Oncologia e uma de Medicina Geral e Familiar.

O especialista em Pediatria iniciou funções a 1 de agosto no Hospital de Portimão, onde irá manter-se até ao final do mês, estando a usufruir da possibilidade de alojamento gratuito, opção incluída no despacho do Ministério da Saúde, pela primeira vez, este ano.

Apesar de considerar tratar-se de uma iniciativa válida, o secretário regional do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), João Dias, disse à Lusa que o problema da falta de médicos no Algarve é "estrutural" e que "não se resolve com remendos ou pensos rápidos".

"A iniciativa pode ter alguma validade, mas na prática não resolve o problema da carência de médicos", refere, argumentando que "está mais do que demonstrado que estes incentivos não servem a região" e que a questão da falta de profissionais tem que ser encarada "para o ano todo".

Para João Dias, a falta de investimentos e de organização do SNS no Algarve leva a que a maioria dos médicos "optem por sítios onde têm melhores condições", para além do aliciamento dos hospitais privados, que conseguem oferecer melhores salários.

"Parece que temos dois países: do Tejo para cima e do Tejo para baixo. Não há investimentos, nem organização de forma a proporcionar condições de atração", conclui.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.