Infarmed proíbe venda de teste rápido para diagnosticar VIH

Produto não é vendido em Portugal, mas atendendo à livre circulação, o Infarmed recomenda que não seja comprado ou usado

A autoridade nacional do medicamento anunciou que proibiu a comercialização do teste rápido para o VIH "NecLife One Step", depois de a autoridade finlandesa ter ordenado a recolha deste dispositivo. Por outro lado, o Infarmed recomenda que não sejam adquiridos nem utilizados - além da livre circulação, hoje em dia muitos produtos podem ser comprados através da internet.

A autoridade competente finlandesa proibiu a comercialização e ordenou a recolha do dispositivo médico para diagnóstico in vitro "NecLife One step Rapid Test for HIV I & II", do fabricante Nectar Lifesciences, por não cumprir com os requisitos da legislação aplicável, refere o Infarmed num comunicado.

O Infarmed adianta que, em Portugal, não foram identificados registos de comercialização de dispositivos deste fabricante, mas, "atendendo a que existe livre circulação de produtos no espaço económico europeu", recomenda que "não seja adquirido nem utilizado, uma vez que a sua qualidade, segurança e desempenho não podem ser assegurados".

Quem tiver conhecimento da existência deste dispositivo em Portugal deve reportar a situação à Direção de Produtos de Saúde do Infarmed.

Noutro comunicado, a autoridade nacional do medicamento adianta que também foi proibida a comercialização pela autoridade alemã de procedure packs e kits do fabricante Hamamed GmbH Herstellung & Vertrieb von Medizinprodukten.

Segundo o Infarmed, o fabricante continuava a colocá-los no mercado após a retirada dos respetivos certificados pelo organismo.

"Em Portugal não foram identificados registos da comercialização de dispositivos deste fabricante, mas, atendendo a que existe livre circulação de produtos no espaço económico europeu", o Infarmed recomenda que os mesmos não sejam adquiridos nem utilizados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.