Infarmed proíbe venda de teste rápido para diagnosticar VIH

Produto não é vendido em Portugal, mas atendendo à livre circulação, o Infarmed recomenda que não seja comprado ou usado

A autoridade nacional do medicamento anunciou que proibiu a comercialização do teste rápido para o VIH "NecLife One Step", depois de a autoridade finlandesa ter ordenado a recolha deste dispositivo. Por outro lado, o Infarmed recomenda que não sejam adquiridos nem utilizados - além da livre circulação, hoje em dia muitos produtos podem ser comprados através da internet.

A autoridade competente finlandesa proibiu a comercialização e ordenou a recolha do dispositivo médico para diagnóstico in vitro "NecLife One step Rapid Test for HIV I & II", do fabricante Nectar Lifesciences, por não cumprir com os requisitos da legislação aplicável, refere o Infarmed num comunicado.

O Infarmed adianta que, em Portugal, não foram identificados registos de comercialização de dispositivos deste fabricante, mas, "atendendo a que existe livre circulação de produtos no espaço económico europeu", recomenda que "não seja adquirido nem utilizado, uma vez que a sua qualidade, segurança e desempenho não podem ser assegurados".

Quem tiver conhecimento da existência deste dispositivo em Portugal deve reportar a situação à Direção de Produtos de Saúde do Infarmed.

Noutro comunicado, a autoridade nacional do medicamento adianta que também foi proibida a comercialização pela autoridade alemã de procedure packs e kits do fabricante Hamamed GmbH Herstellung & Vertrieb von Medizinprodukten.

Segundo o Infarmed, o fabricante continuava a colocá-los no mercado após a retirada dos respetivos certificados pelo organismo.

"Em Portugal não foram identificados registos da comercialização de dispositivos deste fabricante, mas, atendendo a que existe livre circulação de produtos no espaço económico europeu", o Infarmed recomenda que os mesmos não sejam adquiridos nem utilizados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.