Professores querem convencer parlamento a imitar solução da Madeira para as carreiras

Caso a questão da devolução do tempo de serviço fique nas mãos do parlamento - o que se tornou mais provável depois de o PSD ter confirmado que irá pedir apreciação parlamentar da lei - sindicatos aceitam solução mais espaçada mas que devolve todo o tempo.

Depois de esta segunda-feira ter sido avançado que o PSD deverá acompanhar os partidos à esquerda do governo no pedido de apreciação parlamentar do diploma sobre a devolução do tempo de serviço congelado, torna-se praticamente inevitável que a posição do governo - que só oferece dois anos, nove meses e dezoito dias aos docentes - tenha de ser revista. Ou por via de um veto presidencial ou, caso o diploma passe pelo crivo de Marcelo Rebelo de Sousa, por iniciativa dos partidos no parlamento. E se a solução for este último cenário, os sindicatos já sabem o que irão pedir aos partidos: a replicação do modelo adotado na Região Autónoma da Madeira em que, apesar de a reposição ter sido bastante espaçada no tempo, foram garantidos os nove anos, quatro meses e dois dias reivindicados pelos professores.

"Parece claro que o governo não quer negociar. E negociar com os sindicatos não faz parte das competências do parlamento. Por isso, se a solução encontrada for a da Madeira, até estaremos de acordo, embora não seja essa a nossa proposta", confirma ao DN Mário Nogueira, da Federação Nacional dos Professores (Fenprof).

Na Madeira, cujo governo regional é liderado pelo PSD, está já consagrada a reposição de todo o tempo de serviço reivindicado pelos professores. A principal diferença em relação ao que os sindicatos têm exigido no continente prende-se como a forma como a reposição do tempo de serviço congelado será espaçada no tempo. O plano aprovado prevê um faseamento até 2025, a ter início em janeiro do próximo ano, em que os docentes irão recuperar em média um ano e meio de serviço, num total de 545 dias. No último ano serão devolvidos os 141 dias remanescentes para perfazer a totalidade do tempo.

Nos Açores, o respetivo governo regional, liderado pelo PS, tem aguardado pela posição final do executivo central para definir o modelo a implementar. Mas, nesta fase, os docentes daquele arquipélago também já estão em vantagem face aos colegas do continente, porque já lhes foram devolvidos dois anos, quatro meses e dois dias relativos ao primeiro congelamento das carreiras, aos quais se irão somar sempre, pelo menos, os dois anos, oito meses e dois dias agora oferecidos pelo governo.

Marcelo alertado para possíveis inconstitucionalidades na posição do governo

As discrepâncias entre as soluções encontradas para os docentes do continente e das ilhas foram, aliás, um dos argumentos apresentados pelos sindicatos a Marcelo Rebelo de Sousa, na reunião realizada no passado dia 10 de outubro, para apontarem possíveis inconstitucionalidades ao decreto-lei do governo e pedirem ao Presidente da República que o vetasse. Outra possível inconstitucionalidade apontada - e que segundo Nogueira foi "imediatamente compreendida" por Marcelo, prende-se com a possível ultrapassagem "de todos os 46 mil professores que, segundo o governo, progrediram em 2018, face aos que, segundo a proposta da tutela, irão progredir a partir de 1 de janeiro".

Questionada pelo DN, a Presidência da República não confirma se o Presidente estará ou não a avaliar estas questões tendo em vista a sua tomada de decisão. "O Presidente da República não se pronuncia sobre o teor de reuniões privadas nem se irá pronunciar sobre o diploma em causa até este ter dado entrada no Palácio de Belém o que, como é sabido, ainda não sucedeu", disse ao DN fonte do gabinete de comunicação.

Isabel Alçada, ex-ministra da Educação e atual conselheira de Marcelo Rebelo de Sousa para esta área, garante que neste momento, ninguém além do próprio sabe em que sentido irá a sua decisão: "O senhor Presidente da República toma em consideração a informação que tem mas decide em total autonomia e só conheceremos a sua decisão quando esta for tornada pública", garante.

Neste domingo, citando fonte da Presidência da República, o Expresso avançou na sua edição online que existiria uma probabilidade "de "50%/50%" de Marcelo promulgar ou não o diploma.

Já a adesão do PSD a uma "coligação negativa" para forçar a apreciação parlamentar do diploma - caso Marcelo o promulgue - foi avançada nesta segunda-feira pelo Público. Uma posição que "já era esperada pelos sindicatos", como explica Nogueira. "Quando fomos recebidos em audiência pelo grupo parlamentar do PSD foi-nos garantido que, quando chegasse a altura, seriam coerentes com as posições que têm tomado", conta. "E o PSD, onde é governo [na Madeira] aprovou a devolução integral do tempo de serviço e, onde é oposição [nos Açores], apresentou propostas no mesmo sentido", refere.

50 dias para fazer chegar decreto-lei a Belém

Refira-se que o governo tem demorado mais do que o habitual a fazer chegar ao Palácio de Belém o decreto-lei sobre a recomposição da carreira docente, que foi aprovado em reunião de conselho de ministros a 4 de outubro, véspera do Dia Internacional do Professor e de uma manifestação nacional da classe em Lisboa. O motivo oficial para a demora é o facto de o diploma ter sido sujeito a apreciação das assembleias legislativas regionais da Madeira e dos Açores, sendo que estas têm até ao próximo dia 22 para se pronunciarem sobre o mesmo.

Assim, o documento não deverá chegar às mãos de Marcelo antes de dia 23 - 50 dias após a aprovação pelo governo. E, mesmo considerando a habitual rapidez do Presidente da República na apreciação das propostas legislativas que lhe são enviadas, o mais provável é que só no final do mês seja conhecida uma posição oficial de Belém.

O DN questionou o gabinete da ministra da presidência sobre o ponto de situação deste processo e eventuais alterações que possam ser feitas ao diploma antes do envio a Belém mas este, em resposta enviada por escrito, disse que a divulgação de tal informação ou "é vedada" legalmente à Presidência do Conselho de Ministros ou não pode ser avançada "por uma questão de respeito institucional" pelo presidente da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.