Primeira pessoa em Marte será "provavelmente, uma mulher"

Afirmação foi feita por Jim Bridenstine, administrador da agência espacial norte-americana

A primeira pessoa a pôr o pé no planeta Marte será, "provavelmente", uma mulher. Quem o diz é Jim Bridenstine, administrador da agência espacial norte-americana, em entrevista ao programa radiofónico "Science Friday", especializado em ciência e tecnologia.

Citado pela CNN, o responsável da agência espacial norte-americana não apontou um nome em concreto, dizendo apenas que as mulheres estão hoje na dianteira dos planos da empresa. Questionado via twitter por uma ouvinte que quis saber se uma futura missão à lua integrará mulheres, Bridenstine respondeu sem margem para dúvidas: "Claro!". E até acrescentou que o próximo ser humano a pisar a lua também deverá ser uma mulher.

No final deste mês, a NASA terá pela primeira vez uma equipa de astronautas integralmente feminina numa viagem ao espaço. Anne McClain e Christina Koch fizeram o curso de astronautas de 2015, uma equipa que era composta em 50% por mulheres.

De acordo com números da NASA, o sexo feminino representa atualmente 34% do corpo de astronautas da agência espacial. "A NASA tem o compromisso de assegurar que reúne um alargado e diverso horizonte de talentos e estamos ansiosos para ver a primeira mulher na lua", afirmou Bridenstine.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?