Revolução digital: Portugal integra rede mundial de telescópios interligados

O mundo da astronomia mudou muito nos últimos 25 anos, mas vai "sofrer alterações brutais" nos próximos anos, disse este sábado o ministro da Ciência, que anunciou que Portugal vai integrar uma rede mundial de telescópios interligados de modo digital.

Em declarações à agência em Constância, no distrito de Santarém, na 25.ª edição da Astrofesta, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, antecipou os desafios do futuro, tendo afirmado que, "hoje, Portugal participa num grande projeto à escala mundial para poder ligar todos os telescópios de uma forma digital", incluindo os instalados no Centro de Ciência Viva de Constância - Parque de Astronomia.

"Se é verdade que os últimos 25 anos foram de grande transformação em Portugal de introdução da cultura científica nos portugueses, também é verdade que os próximos 25 anos na área da astronomia vão sofrer alterações brutais", afirmou o governante na abertura oficial do evento, que reúne até domingo cerca de mil astrónomos portugueses e de outras nacionalidades, profissionais e amadores, investigadores e professores, entre outros.

Sendo a Astrofesta "a mais antiga festa de astronomia do país, uma festa que é referência a nível nacional e no estrangeiro", reunindo todos os anos centenas de pessoas durante três dias, Manuel Heitor disse que a astronomia "é essencial para melhorar o conhecimento da Terra (...) e, também, e sobretudo, para explorar novas atividades de âmbito social e económico".

Para o governante, a Astrofesta "é a mais representativa, mas também é aquela que está associada desde o princípio aquilo que é a ciência moderna em Portugal", tendo destacado o trabalho de astrónomos como Máximo Ferreira, diretor do Centro Ciência Viva de Constância, que, "ao longo de 25 anos, ajudaram a desenvolver aquilo que é essencial, que é a atração do público pelo conhecimento científico".

Como vincou o ministro, "a reunião aqui [em Constância] de mil pessoas é certamente o reconhecimento dos últimos 25 anos e uma clara demonstração de capacidade da astronomia para o futuro de Portugal e para aquilo que é a interação [do país] no mundo e numa economia do conhecimento".

Tudo começou com "dois pequenos telescópios metidos numa carrinha"

Em declarações à Lusa, Máximo Ferreira lembrou que tudo começou com "dois pequenos telescópios metidos numa carrinha" que conduziu até à Serra D´Ossa, no Redondo, em 1994, tendo levado a astronomia no ano seguinte às praias do Algarve, num espírito de missão e de divulgação que partilhou com o antigo ministro Mariano Gago.

"As pessoas não vinham aos telescópios, levávamos nós os telescópios até onde estavam as pessoas", recordou, lembrando que o programa de "divulgação da astronomia e das ciências em geral" estendeu-se às regiões do interior em 1997 com o programa Ciência no Verão, que se mantém até ao dias de hoje.

No ano em que se comemoram 25 anos de Astrofesta, este evento apresenta um programa variado que envolve observações do céu (à vista desarmada e com telescópios), um minicurso de introdução à Astronomia, uma pequena feira interativa de ciência e várias palestras, de entre as quais se destaca uma dedicada à estranha galáxia designada por CR7.

Este ano anuncia-se como novidade uma palestra sobre radioastronomia e atividades com um radiotelescópio. Haverá um momento de apresentação de uma pequena brochura evocativa dos 25 anos de Astrofestas, vários momentos de música proporcionada pelo carrilhão móvel do CICO, duas exposições ("astropintura" e "relógios de Sol"), o acesso público ao Lago Arquimedes e refeições ligeiras numa tenda preparada para o efeito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.