Tratamentos de fertilidade voltam graças a norma transitória

Deputados apresentam projetos para permitir o reinício de tratamentos de fertilidade suspensos com o acórdão do Tribunal Constitucional, que vetou o anonimato dos dadores.

O Bloco de Esquerda apresentou esta quarta-feira um projeto de lei que cria uma norma transitória, permitindo que se mantenham anónimas as doações de gâmetas e embriões anteriores a 24 de abril, dia em que foi proferido o acórdão do Tribunal Constitucional (TC), que considerou essa prática inconstitucional. Acrescenta que estas doações pode ser utilizadas até cinco anos após a regulamentação da lei.

O bloquista Moisés Ferreira refere que o objetivo é que as alterações à lei n.º 32/2006 (procriação medicamente assistida, PMA) sejam discutidas ainda em novembro, logo após o debate do Orçamento de Estado. O PSD tem um projeto no mesmo sentido nas mãos de Ângela Guerra, esperando a deputada que dê entrada no Parlamento até esta quinta-feira. E também o PS estuda nova regulamentação, o que está a cargo de Isabel Moreira.

Doações antes de 24 de abril têm cinco anos de utilização

É um artigo novo que permite, ainda, que os dadores cujas dádivas tenham sido utilizadas até 24 de abril mantenham a identidade confidencial, a não ser que manifestem vontade em quebrar o anonimato. O Bloco sublinha que estas alterações não põem em causa o acesso a informações de natureza genética ou no caso de haver impedimento legal à realização de um casamento.

"Vamos ao encontro da decisão do TC - sempre dissemos que iríamos respeitar o acórdão - e às expectativas e direitos dos dadores e beneficiários, permitindo uma norma transitória para que sejam concluídos os tratamentos com recurso a doações anónimas, interrompidos de forma abrupta com o acórdão do Constitucional", explicou ao DN Moisés Ferreira.

Cinco mil embriões congelados

Ângela Guerra tem trabalhado no mesmo sentido: "A proposta visa resolver as situações suspensas ao abrigo do regime de confidencialidade, situações que nos foram relatadas pelo CNPMA, associações, centros, etc. Há vidas suspensas e material genético que não se sabe que destino terá".

Cláudia Vieira, presidente da Associação Portuguesa de Fertilidade, espera que as iniciativas parlamentares sejam aprovados o mais rapidamente possível. E é nesse sentido que têm reunido com os partidos com assento parlamentar, também com a Comissão de Saúde, só faltando o encontro com o PS, marcado para esta quinta-feira. Entregam um tubo de ensaio com uma mensagem de beneficiários da PMA a cada um dos deputados, um ato simbólico para os sensibilizar para a situação.

"Apresentámos as nossas preocupações em relação aos tratamentos de fertilidade, com especial ênfase para o pós acórdão do TC. Não está em causa a quebra do anonimato, o que está em causa são os tratamentos com recurso a doadores anónimos que foram suspensos", explicou ao DN Cláudia Vieira. Em especial "os milhares de embriões criopreservados". Alguns de famílias que já têm um filho resultante de um primeiro embrião e que congelaram os outros para lhes darem irmãos com as mesmas características físicas.

A dirigente associativa estima que estarão em causa cinco mil embriões e duas mil famílias com os projetos de natalidade interrompidos. Acrescenta que a situação agrava-se no público, onde os tratamentos estão totalmente suspensos, até porque, à falta de dadores em Portugal, têm recorrido a Espanha, em que vigora o anonimato.

Tratamentos custam 7 mil euros

Lembra que passaram cinco meses desde a decisão do TC. "Para estas famílias é muito tempo, algumas já não poderão recomeçar, depois de todo o tempo e dinheiro envolvido". Avança que um tratamento de fertilidade custa seis a sete mil euros, o que significa voltar a gastar todo esse dinheiro. E há quem não o tenha.

"Não se podem mudar as regras a meio do jogo sem estabelecer um período de transição", critica.

O TC considerou que os artigos 8, 14 e 15 da lei nº 32/2006 violavam a constituição e que se devia permitir que as pessoas nascidas com recurso a doação de gâmetas (óvulos e espermatozoides), embriões e barrigas de aluguer conhecessem a identidade dos dadores. Uma decisão que resultou da análise aos artigos sobre a gestação de substituição (barrigas de aluguer), 8 e 14, respetivamente, alterando práticas médicas permitidas durante 11 anos.

conhecer identidade aos 16 anos

Os deputados deixam para mais tarde a discussão sobre barrigas de aluguer. A norma transitória diz respeito ao artigo 15.º, sobre a confidencialidade dos dadores.

No seu pelo projeto de lei. o BE clarifica que as pessoas nascidas em consequência de tratamentos ou procedimentos de PMA com recurso a dádivas só podem obter essa informação com a idade igual ou superior a 16 anos. E que esse pedido deve ser feito ao CNPMA, a entidade que concentra as informações relativamente às doações.

https://www.dn.pt/portugal/interior/as-familias-nao-vao-dizer-as-criancas-que-nasceram-de-uma-doacao-9424470.html

https://www.dn.pt/portugal/interior/doadoras-de-ovulos-aceitam-quebrar--o-anonimato-9345139.html

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.