Pais pedem ajuda às escolas com medo de falharem reserva dos livros

Obtenção dos vouchers através da plataforma MEGA não é complexa, mas muitos encarregados de Educação preferem não arriscar. Diretores confirmam alguns problemas técnicos no portal criado pelo MInistério

O presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, confirmou ao DN que "muitos pais" têm recorrido às escolas para fazerem os registos na plataforma MEGA (manuaisescolares.pt), que atribui os vouchers para a compra dos manuais escolares, bem como as encomendas dos próprios títulos.

Apesar de o procedimento ser relativamente simples - para fazer o registo e ter acesso aos vouchers basta indicar o e-mail, criar uma palavra passe e, posteriormente, confirmar o número de contribuinte do encarregado de educação do aluno -, Filinto Lima confirma: "Os pais estão a deslocar-se às escolas para sermos nós a fazer o registo. Ou porque não sabem ou porque não querem fazer", acrescenta, admitindo que estes "preferem vir à escola para ter a certeza" de que o processo decorre sem sobressaltos. "Não será a maioria mas são muitos."

A possibilidade de os pais recorrerem às escolas já tinha sido avançada pelo Ministério da Educação, depois de ter sido revelado que neste ano todo o processo de atribuição dos manuais gratuitos seria centralizado através da Internet.

No passado, eram as próprias escolas a fazerem as encomendas para os alunos que tinham direito aos livros gratuitos. No entanto, por pressão dos pequenos livreiros - que se queixaram de estarem a ser prejudicados face às grandes superfícies e plataformas de venda online -, foi criado este sistema de vouchers, que os pais podem levar à livraria que preferirem para reclamarem os livros.

Face ao recurso às escolas pelas famílias, e ao facto de as plataformas de venda online estarem a apostar em campanhas como a entrega gratuita dos livros em causa, é possível que o impacto da medida nos pequenos livreiros fique aquém das expectativas destes.

Ministério minimiza falhas

Filinto Lima confirmou também que "ainda há pais que não têm os vouchers", devido a problemas técnicos na plataforma da Internet, que está a ser administrada pelo Instituto de Gestão Financeira do Ministério da Educação. Nomeadamente no reconhecimento de determinados números de contribuinte, eventuais confusões nos dados e incompatibilidades entre plataformas informáticas. "Eu próprio já reportei o caso do meu agrupamento e sei que outros diretores já o fizeram também", contou.

O Ministério da Educação defende, no entanto, que com a exceção de um caso em que foram erradamente atribuídos a um aluno os livros de outro ano letivo, situação já "corrigida", o processo tem decorrido sem sobressaltos. "Neste momento, a quase totalidade [das escolas] já exportaram dados, tendo já sido emitidos mais de um milhão de vouchers", disse o gabinete de Tiago Brandão Rodrigues.

Neste ano letivo, além dos alunos abrangidos pela Ação Social Escolar (100% ou 50% de desconto) de todos os níveis de ensino são oferecidos os livros obrigatórios a todos os estudantes do 1.º ao 6.º ano de escolaridade das escolas públicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.